SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Artigo: Xô, privilégio!

"O foro privilegiado transforma o Supremo Tribunal Federal (STF) numa instância praticamente paralisada, obrigada a julgar qualquer delito de meliantes diplomados pelo voto"

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 06/11/2016 11:31

Ana Dubeux

O Brasil é um país continental, brutal, ignorante, insolente e irresponsável com seus recursos naturais. Temos a mais longeva e imbecil certeza de que tudo terá jeito, se acomodará e se resolverá, independentemente do quanto errados pudermos ser. Com o tempo, o jeitinho, a criatividade e um pouquinho de samba, tudo passa, afinal, estamos nesta terra exuberante, alegre, viril como macho alfa que só reproduz falácias. Já foi poética essa ingenuidade, hoje, ela é bestial, ridícula mesmo. Não há tempo mais no mundo para amadorismo. Precisamos crescer. Esse amadurecimento passa pelas instituições e poderes. Há uma porção de coisas que já não são passíveis de tolerância. O privilégio de uma classe só, seja ela qual for, é uma delas.

Comecemos aqui por onde havemos de começar sempre. Pelo exemplo. Os políticos querem mexer nas aposentadorias, nas contas, nos investimentos do país, mas a primeira sacudida que deveriam dar é na própria consciência. É preciso de uma vez por todas acabar com os privilégios. Não farão isso sem pressão da sociedade civil. A iniciativa de lançar a bandeira virtual #XôPrivilégio, com forte reforço no jornal impresso, faz do Correio, mais uma vez, um veículo pioneiro na tentativa de mudar histórias que parecem imutáveis. Trata-se aqui de acabar com o foro privilegiado dos políticos brasileiros, uma excrescência que não existe em nenhum lugar do mundo.

Esse benefício sem justificativa transforma o Supremo Tribunal Federal (STF) numa instância praticamente paralisada, obrigada a julgar qualquer delito de meliantes diplomados pelo voto. Assim, o sujeito transforma o mandato numa redoma que o protege de pagar pelos crimes cometidos. Quem mais tem esse benefício? A política não pode ser escudo, é uma arte linda, uma profissão necessária, um território para se trabalhar pelo futuro do país, pavimentar mudanças profundas na sociedade, fazer leis e promover revoluções necessárias. Nada a ver com legitimar impunidade.

Na última sexta, nossa manchete foi uma feliz notícia depois de dias martelando em cima do tema. O relatório sobre proposta que acaba com a prerrogativa de os políticos serem julgados em instâncias superiores entrou na pauta da Comissão de Constituição e Justiça do Senado. Apresentado em 2013, no auge das manifestações populares, o texto teve apoio inicial de 30 senadores. Esperamos que ele ganhe agora a adesão de maioria. Essa PEC precisa ser aprovada com urgência. Como disse o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), o foro privilegiado tornou-se anacrônico. Diria mais: tornou-se também um atraso para o Brasil.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Andre
Andre - 06 de Novembro às 20:48
Concordo com tudo o que a Ana Dubeux disse. Temos que parar de afundar. Ainda estamos sendo empurrados para baixo pela classe política.
 
RAIMUNDO
RAIMUNDO - 06 de Novembro às 16:27
Parabéns pelo artigo Ana Dubeux. A sociedade brasileira há muito é carente de justiça, especialmente, em se tratando de crimes praticados por delinquentes de colarinho branco(empresários e políticos). Até bem recente, antes da Lei nº12.850/2013, nenhum corrupto ficava engaiolado, pois, nunca se provava e/ou mesmo não havia vontade do Ministério Público em denunciá-los, inclusive já houve Procurador Geral da República que era conhecido como: "engavetador geral da república". Atualmente, o Brasil está de parabéns, pois, temos um Procurador Geral da República, que realmente está fazendo um bom trabalho e isso está incomodando os corruptos que se dizem "representantes do povo brasileiro". A sociedade precisa ficar vigilante, pois, já se sabe que há movimento por parte de vários "partidos políticos" com o intuito de acabar com a operação lava-jato e isso é muito preocupante. O Brasil precisa de uma reforma política profunda, para tentar minimizar a corrupção e as mordomias. O parlamentar, não deveria receber nada mais que o salário, pois esses privilégios: foro privilegiado, verbas de gabinete, auxílio moradia, auxílio aéreo, carro e motorista tudo pago pela sociedade é um verdadeiro absurdo. Sabe-se que, teoricamente, o propósito e os requisitos para o desempenho dessas funções políticas/eletivas é proporcionar a igualdade de oportunidade para todos os cidadãos. Historicamente no Brasil, observa-se que, com poucas exceções, os pré-requisitos dos políticos são: a desonestidade, o interesse pessoal ou de algum grupo, isso precisa acabar. Vejam que a maioria dos nossos parlamentares responde processos no STF, mas ninguém é condenado.

publicidade