SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Fomos eleitos para votar propostas, diz Maia sobre críticas da Lava-Jato

Em entrevista coletiva nessa quarta-feira, integrantes da força-tarefa criticaram relatório preliminar apresentado por Moura ao projeto

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 10/11/2016 16:13

Breno Fortes/CB/D.A Press

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse nesta quinta-feira (10/11) que os integrantes da força-tarefa da Operação Lava Jato em Curitiba podem fazer críticas quando e onde quiserem sobre o projeto que muda as regras dos acordos de leniência, mas que são os parlamentares que foram eleitos pela população que devem votar as propostas.

"Eles, de forma democrática, podem fazer a crítica onde eles quiserem, no tempo que quiserem. Nós estamos aqui eleitos pela população para votar as matérias", afirmou Maia em entrevista coletiva. Ele disse não poder comentar as críticas da força-tarefa ao parecer do relator do projeto, deputado André Moura (PSC-SE), líder do governo na Casa, porque não as leu.

Leia mais notícias em Política


Em entrevista coletiva nessa quarta-feira, integrantes da força-tarefa criticaram relatório preliminar apresentado por Moura ao projeto. No parecer, o deputado do PSC estende os acordos de leniência para pessoas físicas, como diretores, acabando com a punibilidade deles, o que pode desestimular delações premiadas. Para a Lava-Jato, o projeto faz parte de uma ofensiva para "enterrar as investigações" da operação.

Maia afirmou ainda que retirou o requerimento para tramitação do projeto em regime de urgência para que o tema possa ser mais debatido na Casa, e não por causa das críticas dos integrantes da força-tarefa. Ele disse que pautou a urgência para a sessão dessa quarta-feira (9/11) para pressionar o relator a apresentar o seu parecer. "Não podia ficar esperando a vida inteira para aparecer um relatório", afirmou.

Por Agência Estado

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade