SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Cármen Lúcia: preso custa 13 vezes mais do que um estudante no Brasil

As informações foram divulgadas pelo CNJ. No evento, Cármen Lúcia afirmou que a violência no país exige mudanças estruturantes e o esforço conjunto de governos e da União

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 10/11/2016 19:44 / atualizado em 10/11/2016 19:45

Glaucio Dettmar/CNJ

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Cármen Lúcia, afirmou nesta quinta-feira (10/11) que um preso custa 13 vezes mais do que um estudante no Brasil. A declaração foi feita durante o 4º Encontro do Pacto Integrador de Segurança Pública Interestadual e da 64ª Reunião do Colégio Nacional de Secretários de Segurança Pública (Consesp), em Goiânia (GO).

"Um preso no Brasil custa R$ 2,4 mil por mês e um estudante do ensino médio custa R$ 2,2 mil por ano. Alguma coisa está errada na nossa Pátria amada", afirmou.

"Darcy Ribeiro fez em 1982 uma conferência dizendo que, se os governadores não construíssem escolas, em 20 anos faltaria dinheiro para construir presídios. O fato se cumpriu. Estamos aqui reunidos diante de uma situação urgente, de um descaso feito lá atrás", lembrou a ministra.

As informações foram divulgadas pelo CNJ. No evento, Cármen Lúcia afirmou que a violência no país exige mudanças estruturantes e o esforço conjunto de governos e da União.

"O crime não tem as teias do Estado, as exigências formais e por isso avança sempre. Por isso são necessárias mudanças estruturais. É necessária a união dos poderes executivos nacionais, dos poderes dos Estados, e até mesmo dos municípios, para que possamos dar corpo a uma das maiores necessidades do cidadão, que é ter o direito de viver sem medo. Sem medo do outro, sem medo de andar na rua, sem medo de saber o que vai acontecer com seu filho", disse.

Leia mais notícias em Brasil


Desde que assumiu a presidência do CNJ, a ministra tem visitado presídios para ver as condições das unidades. Até o momento, Rio Grande do Norte e Distrito Federal receberam visitas de surpresa, e a ideia é inspecionar todos os Estados.

"A cada nove minutos, uma pessoa é morta violentamente no Brasil Nosso país registrou mais mortes em cinco anos do que a guerra da Síria. Estamos, conforme já disse o Supremo Tribunal Federal, em estado de coisas inconstitucionais. Eu falo que estamos em estado de guerra. Temos uma Constituição em vigor, instituição em funcionamento e cidadão reivindicando direitos. Precisamos superar vaidades de detentores de competências e, juntos, fazer alguma coisa", declarou a ministra.

O encontro realizado em Goiânia teve a presença do ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, que apresentou o Plano Nacional de Segurança Pública. A ação tem como principais metas reduzir os homicídios e os casos de violência contra a mulher, além de racionalizar o sistema penitenciário e a proteção das fronteiras

Por Agência Estado

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
jurassi
jurassi - 12 de Novembro às 11:11
Preso consome, água, Energia elétrica, alimentação pelo menos três vezes ao dia, roupas, alojamento, colchões, equipe SESIPE para escolta, sempre que ficar doente ou tiver audiência, equipamento para rastrear tornozeleira eletrônica, bloqueador de celular, equipamento eletrônico para vistoria, dispêndio do judiciário para concluir o processo. E quando é solto a maioria voltar a cometer crime e o ciclo se inicia. O melhor é investir em educação e colocar os presos para pagarem toda a conta inclusive das vítimas. Como? Trabalho forçado.
 
ednelson
ednelson - 12 de Novembro às 10:32
e daí, é logico que vai custar, alimentação, médico, estrutura, vigilância, grande dedução, realmente estudo e decoreba tem pouco a ver com inteligência.
 
Paulo
Paulo - 11 de Novembro às 18:05
Que me desculpe a Srª Presidente do STJ e CNJ, mais em que órbita a Srª estava, pois qualquer pessoa com ou sem conhecimento prévio das mazelas judiciais e dos sistemas correcionais sabe muito bem quanto custa manter um condenado nas dependências de presidio no Brasil, poderiam sim, esta trabalhando nas capinas das rodovias e estradas, manutenção de escolas, hospitais e ou qualquer espaço público, sobre a vigilância e correntes nos pés. Sairia mais em conta Srª Presidente do STF.

publicidade