SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Ministro do TSE cancela acareação entre Edinho Silva e Otávio Azevedo

A acareação havia sido marcada para ocorrer na quinta-feira da próxima semana (17/11), às 18h, na sede do TSE, em Brasília

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 10/11/2016 19:47


Relator do processo que pode levar à cassação da vitoriosa chapa de Dilma Rousseff e Michel Temer nas eleições de 2014, o ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Herman Benjamin, decidiu nesta quinta-feira (10/11) cancelar a acareação marcada para o dia 17 de novembro entre o ex-tesoureiro da campanha de Dilma Edinho Silva (PT) e o executivo Otávio Azevedo, ex-presidente da Andrade Gutierrez.

A acareação havia sido marcada para ocorrer na quinta-feira da próxima semana (17/11), às 18h, na sede do TSE, em Brasília. Em vez de realizar a acareação entre Edinho e Azevedo, o ministro decidiu ouvir novamente apenas Otávio Azevedo, no mesmo local e horário.

Leia mais notícias em Política


O pedido de acareação foi formulado pelos advogados que representam o PSDB, responsáveis por moverem a ação contra a chapa Dilma/Temer, depois de a defesa da petista apresentar ao TSE uma série de documentos que apontam que Temer seria o beneficiário de uma doação de R$ 1 milhão feita pela Andrade Gutierrez, uma das empreiteiras que está na mira da Operação Lava-Jato.

A defesa de Dilma alega que os documentos contradizem a versão de Azevedo, que afirmou em depoimento que a campanha eleitoral de Dilma recebeu do Diretório Nacional do PT o valor de R$ 1 milhão, tendo a Andrade Gutierrez como doadora originária. O dinheiro teria origem ilícita, oriundo de desvios em contratos firmados entre a empresa e o governo federal.

"A divergência constatada () exsurgiu da apresentação de documentação eleitoral pelos patronos da representada Dilma, por ocasião da audiência realizada no dia 07/11/2016. Neste sentido, a mera reinquirição do Sr. Otávio configura medida eficaz para a elucidação da divergência, sem prejuízo de que, caso necessário, sejam determinados atos complementares para o aprofundamento do conjunto probatório em relação ao ponto", diz o despacho do ministro.

Por Agência Estado

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
celia
celia - 11 de Novembro às 14:01
Porque esses ministros sempre se metem? E sempre vão do lado de quem não deveriam! Deixem esses processos por conta do Juiz Sergio Moro que ele sabe como deve proceder nesses casos, pois a impressão que nos dá é que nenhum deles tem rabo limpo, todos estão presos a falcatruas e a corrupção....que vergonha meu Deus!

publicidade