SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Parecer de relator da CCJ é contra investigação de Pimentel

A justificativa do parlamentar se concentrou na defesa de Pimentel. Segundo o advogado do governador, Eugênio Pacelli, a Operação Acrônimo, na qual o petista é investigado, e que gerou denúncia no STJ, teve início irregular

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 11/11/2016 08:12


O deputado estadual Rogério Correia (PT) emitiu nesta quinta-feira (10/11) parecer contrário ao início do processo contra o governador de Minas, Fernando Pimentel (PT), no Superior Tribunal de Justiça (STJ). Correia é relator do pedido de autorização da abertura de ação penal contra o governador na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa mineira.

A justificativa do parlamentar se concentrou na defesa de Pimentel. Segundo o advogado do governador, Eugênio Pacelli, a Operação Acrônimo, na qual o petista é investigado, e que gerou denúncia no STJ, teve início irregular, com coleta de celulares e equipamentos sem autorização judicial durante a apreensão, pela Polícia Federal, de avião em que estava o empresário Benedito Rodrigues de Oliveira Neto, o Bené, em outubro de 2014, no aeroporto de Brasília.

Leia mais notícias em Política


As investigações apontaram que Bené era operador de Pimentel. O governador foi denunciado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro por, supostamente, ter recebido R$ 2 milhões de uma montadora de carros quando era ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, no governo Dilma Rousseff. No dia 5 de outubro, a Corte decidiu, no entanto, que para o processo ser aberto é necessário autorização do Poder Legislativo de Minas.

A expectativa é que o parecer seja votado nesta sexta-feira (11/11) na CCJ, onde Pimentel tem maioria.

Para agilizar a votação em plenário, o presidente da Assembleia, Adalclever Lopes (PMDB), marcou três sessões extraordinárias para a terça-feira, no feriado, e três para a quarta-feira. O total de seis sessões é o número máximo para discussão de matérias antes da votação. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Por Agência Estado

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.