SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Janot espera que Lava-Jato acabe com a "vara vergada" da corrupção endêmica

Para procurador, se não se quebrar a 'vara envergada', ela vai voltar e 'chicotear todo mundo'. Ao comentar declaração de Lula, Janot disse que não é 'religioso'

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 11/11/2016 12:05 / atualizado em 11/11/2016 12:18

Eduardo Militão

Lula Marques/Agência PT


O procurador geral da República, Rodrigo Janot, afirmou, na manhã desta sexta-feira (11/11) que espera que a Operação Lava-Jato “quebre” a corrupção endêmica, que foi comparada com uma “vara envergada”.

“Nós chegamos a esse ponta da investigação: envergamos a vara. Se ela não prossegue e ela volta, ela volta chicoteando  todo mundo”, afirmou, em café com jornalistas na cobertura da Procuradoria Geral da República (PGR), em Brasília.

Leia mais notícias em Política


O procurador disse que a Lava-Jato não vai acabar com a corrupção, que é antiga e atinge o setor privado e estatal em todo o mundo. O objetivo é limitar o pagamento sistêmico de propina em atos de lavagem de dinheiro.

“Ninguém tem a ilusão de que esta investigação vai acabar com a corrupção. Não tem herói aqui, santo. O enfrentamento é para que possamos controlar essa corrupção endêmica. Quando falo que a vara está envergada é que estamos no limite de vencer a corrupção endêmica. Esta vara está vergada e espero que a Lava-Jato vai quebrar.”

Ontem, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que há um “pacto quase diabólico” entre o Ministério Público, o Judiciário e a imprensa para persegui-lo com investigações. Hoje, Janot desconversou. “Posso dizer que não sou religioso”, afirmou o procurador no café da manhã.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade