SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Prisão de Sérgio Cabral repercute na imprensa internacional

O jornal britânico The Guardian afirmou que a prisão do ex-governador do Rio tem relação com o projeto da Copa do Mundo do Brasil, em 2014

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 18/11/2016 06:05

A prisão de Sérgio Cabral pela Polícia Federal repercutiu em alguns dos principais veículos de comunicação do mundo. A rede de TV britânica BBC afirmou que o ex-governador é mais um dos políticos de alto escalão do Brasil que foram presos nos últimos meses. A BBC também disse que o ex-presidente Lula também está envolvido na mesma operação que prendeu Cabral. A rede de TV também cita outros nomes que foram envolvidos na Lava-Jato, como o do ex-tesoureiro do Partido dos Trabalhadores João Vaccari Neto e o do empresário Marcelo Odebrecht.

O jornal britânico The Guardian afirmou que a prisão do ex-governador do Rio tem relação com o projeto da Copa do Mundo do Brasil, em 2014. Segundo o Guardian, Cabral foi a figura mais importante da política do Rio na década passada.

Leia mais notícias em Política

O El País, por sua vez, destacou que Cabral foi preso com pouco mais de 24 horas de diferença para Anthony Garotinho, detido ontem. Os dois são ex-governadores do Rio. A publicação espanhola ressalta que as prisões aconteceram em um momento de “gravíssima crise econômica” no estado, e cita os protestos na capital fluminense na quarta à tarde, contra as medidas de corte de gastos propostas pelo governador Luiz Fernando Pezão.

“Medidas drásticas”

O argentino Clarín também repercutiu a prisão de Cabral e ressaltou que o ex-governador do Rio é integrante do PMDB, mesmo partido do presidente Michel Temer.

Já o jornal americano The Wall Street Journal repercutiu a fala do presidente Michel Temer, que disse apoiar a independência do Judiciário no Brasil. A publicação também ressalta que a prisão veio em um momento “amargo” para os moradores do Rio de Janeiro, que decretou “estado de calamidade” este ano e propôs “medidas de austeridade drásticas” para tentar desafogar as contas públicas.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade