SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Até aliados criticam Geddel por pressionar liberação de obra em Salvador

Conselho de Ética da Presidência da República vai analisar hoje a denúncia contra o titular da Secretaria de Governo

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 21/11/2016 06:01 / atualizado em 21/11/2016 06:28

Eduardo Militão

Minervino Junior/CB/D.A Press

Enquanto a liderança do Governo na Câmara tenta minimizar a situação do ministro palaciano Geddel Vieira Lima, parte dos integrantes da base aliada de Michel Temer no Congresso defende uma apuração rigorosa dos fatos na mesma linha de opositores. O vice-líder do Bloco Social Democrata no Senado, Ricardo Ferraço (PSDB-ES), considera “extremamente grave” a denúncia do ex-ministro da Cultura Marcelo Calero, que acusou o secretário de Governo da Presidência da República de pressioná-lo a aprovar um empreendimento em Salvador onde ele tinha comprado uma residência de R$ 3,4 milhões, na orla soteropolitana. Geddel admite o pedido, mas nega pressões.

“Revela tráfico de influência”, afirmou Ferraço. Para o senador, o fato de Geddel ser dono de um apartamento no prédio onde fazia pressões perante Calero demonstra uma atuação indevida. “Ele não deveria fazer porque está legislando em causa própria. Sendo proprietário, é absolutamente inadequado.”

Ferraço discorda da oposição no método de apuração. Ele defende que a Comissão de Ética, e não o Congresso, avalie o caso, a fim de evitar disputa política com o único objetivo de desgastar o governo de Michel Temer. Se preciso, deve ser feita uma acareação, na visão dele. A comissão se reúne nesta segunda-feira para discutir o caso. Geddel deve comparecer hoje à reunião do “Conselhão”, no Planalto.


Calero pediu exenoreção do cargo de ministro da Cultura na sexta-feira alegando pressão do secretário de Governo para liberar obra no prédio La Vue Ladeira da Barra. Ontem, o jornal O Estado de S.Paulo publicou entrevista em que o ex-ministro disse ter avisado Temer de uma suposta ameaça de Geddel para demitir a presidente do Iphan. Calero não atendeu a reportagem ontem para explicar quando foi essa conversa com o presidente.

O líder do PT na Câmara, Afonso Florence (BA), disse que, a partir de hoje, vai começar a agir para pedir a convocação de Calero. A ideia é que sejam feitas apuracões na Procuradoria-Geral da República e na própria Comissão de Ética, que analisará o caso hoje. Ele destacou o fato de Temer ter sido avisado, segundo o ex-titular da Cultura. “A resposta dele é: ‘Eu sou presidente’. Considerando que já houve o caso do ministro da AGU, dizendo-se proibido de investigar ministros na Lava-Jato, Temer tem que promover todas as investigações necessárias ou renunciar ao cargo.”

“Assunto pequeno”

Para o líder do governo na Câmara, André Moura (PSC-SE), Geddel não fez nada de irregular. “Ele apenas levou a posição dele (a Calero). Acho que esta questão está explicada. A oposição está no papel dela, mas isso é um assunto muito pequeno para o momento que estamos atravessando e que temos que contribuir com coisas muito mais importantes para o futuro desse país.”

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Sonia
Sonia - 21 de Novembro às 09:24
Vamos supor que o outro ministro fosse conivente com Geddel e nada falasse. Não é estranho que um ministro continue a tentar fazer práticas de privilégios e lobbys mesmo quando o país inteiro se coloca contra a corrupção? O que leva a este ministro achar que continua podendo a retribuir favores e privilégios? Tem que apurar sim sob pena de aumentar a visão negativa sobre o governo Temer.

publicidade