SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Integrantes do MP e do Judiciário criticam anistia ao caixa dois

Votação na Câmara acabou adiada para a próxima terça-feira; presidente da Casa, no entanto, nega que tenha pressa em aprovar o projeto

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 25/11/2016 06:00 / atualizado em 25/11/2016 06:33

Patrícia Rodrigues - Especial para o Correio

Lula Marques/AGPT


A manobra tramada por deputados federais para aprovar uma anistia ao crime de caixa dois provocou uma reação imediata entre integrantes do Judiciário, do Ministério Público Federal e da sociedade civil. A ideia dos congressistas era votar a emenda, em forma de substitutivo, ao relatório das medidas de combate à corrupção, aprovado na comissão especial durante a madrugada de quinta-feira. “Toda forma de anistia é questionável. Estimula o desprezo à lei e gera desconfiança”, criticou o juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da Operação Lava-Jato em Curitiba.

Para o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, além das medidas contra a corrupção estarem sendo desconfiguradas, os parlamentares pretendem anistiar a corrupção de forma geral. “Nossa maior preocupação é anistiar crimes de corrupção e crimes de lavagem de dinheiro”, protestou.

A tentativa de mudar o projeto de combate à corrupção provocou confusão no plenário. Após muito bate-boca e dedos em riste, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (PMDB-RJ), acabou obrigado a adiar a votação da proposta das “10 medidas”, que viraram 12 (veja quadro), para a próxima terça-feira. Para tentar gerar um constrangimento aos parlamentares que votassem a favor da emenda, a Rede e o PSol sugeriram, por meio de requerimento, que a votação fosse nominal. A maioria partidária votou contra e aí, então, começou a gritaria entre parlamentares que se posicionaram a favor com os que se mostravam contra.

"Houve reuniões da maioria esmagadora dos líderes, na casa do presidente, onde se tramava anistiar todos aqueles que praticaram o crime de caixa dois", afirmou o deputado Ivan Valente (PSol- SP). Desde o início da semana, Maia e o relator do projeto, Onyx Lorenzoni (DEM-RS), se encontram com líderes numa tentativa, segundo eles, de "acatar sugestões" de todos. Na penúltima reunião da comissão, inclusive, Lorenzoni abandonou a sessão por mais de seis horas para modificar o texto.

 

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui 

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Aminadab
Aminadab - 25 de Novembro às 09:44
Primeiro todos os deputados que, se ASSOCIAM para "rasgar" o artigo 37 da CF; NÃO Passa de uma GRANDE CONFRARIA de CORRUPTOS, essa é a verdade! Esse tal de "SUBSTITUTIVO" NADA MAIS É DO QUE o aval para se PRATICAR A CORRUPTO LIVREMENTE no sindicato da CORRUPÇÃO(CONGRESSO NACIONAL), onde se ALOJAM os "SOBREVIVENTES dos ANÕES DO ORÇAMENTO! Só a criação do RECALL, conforme consta nas PECs 8/2015 - 160/2015 e a 37/2016 - Todas do senado, que falam na criação do RECALL, para salvar essa PODRE DEMOCRACIA. SELVA...!

publicidade