SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Governo federal se une em investida contra crise política

Em tom polido, o presidente convocou os comandantes do Legislativo para firmar o compromisso de que a anistia ao caixa 2 não passará. A intenção é arrefecer manifestações e críticas que aumentam após denúncias do ex-ministro da Cultura

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 28/11/2016 06:00

Evaristo Sa/AFP


Dedicado a sair do centro da crise política que desgastou ainda mais a imagem do governo, o presidente Michel Temer levou os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), a uma entrevista no Palácio do Planalto para que, juntos, tirassem de cena qualquer incentivo a propostas de anistia a caixa 2 de campanhas eleitorais passadas. A ausência das gravatas, coisa rara, registrou a informalidade de um domingo, dia escolhido especialmente para mostrar que o governo tem pressa em estancar os problemas e não está de brincadeira no esforço para recuperar a credibilidade perdida com a crise envolvendo o ex-ministro da Secretaria de Governo Geddel Vieira Lima.

O acordo para degolar qualquer proposta de anistia ao caixa 2 foi apenas pretexto. Temer, ao abrir para perguntas, sabia que o episódio envolvendo Geddel entraria na roda. Foi então que ele, especialista no cuidado com as palavras, revelou que, ao seu estilo, mantém o comando do governo, sem partir para o confronto direto com aliados. Em meio às perguntas, revelou que praticamente induziu Geddel a sair do governo: “Sei como conduzir para gerar esses pedidos de demissão”, disse Temer para justificar uma certa demora na saída de Geddel do governo.

Em todas as respostas, o presidente tratou de colocar claramente o seu estilo de resolver as coisas, evitando confrontos diretos. “A coisa que mais fiz na vida foi arbitrar conflitos”, disse Temer, referindo-se ao ex-ministro da Cultura Marcelo Calero, que teria gravado a última conversa que teve no gabinete presidencial, atitude que Temer chamou de “agressiva, ilógica, indigna e desarrazoada” (leia mais na página 4). Ainda sobre as gravações, Temer apela para que venham a público e reitera o estilo: “Vocês me conhecem, sou muito cuidadoso com as palavras”.

 

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.