SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Líderes afirmam que pedido de impeachment contra Temer deve ser arquivado

"É uma forçação de barra esse pedido de impeachment", disse o líder do DEM na Câmara

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 28/11/2016 19:16

Deputados da base aliada afirmaram que o pedido de impeachment contra o presidente Michel Temer protocolado nesta segunda-feira (28/11), pelo PSOL deverá ser arquivado pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).


"É uma forçação de barra esse pedido de impeachment", disse o líder do DEM na Câmara, Pauderney Avelino (AM). "Não acredito que haja nenhuma razão para abrir um procedimento de impeachment contra o presidente Michel Temer", afirmou.

Ele lembrou que, em abril, após uma decisão do Supremo Tribunal Federal, o então presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), teve de aceitar um pedido de impeachment contra Temer, mas os líderes, por não verem "condições e necessidades", sequer indicaram integrantes para compor a composição que analisaria as denúncias.

 

Leia mais em Política

 

Para o líder do PSD na Câmara, Rogério Rosso (DF), Temer não cometeu crime de responsabilidade e o pedido deverá ser arquivado nas "próximas horas ou dias". "O presidente Temer tem, até por vocação, ser um conciliador, administrar conflitos, e é o que ele fez. Existia divergências técnicas, e o presidente, ao que tudo indica, procurou arbitrar, conciliar, e mediar a questão via Advocacia-Geral da União", disse.

O pedido protocolado pelo PSOL tem como base a denúncia do ex-ministro da Cultura Marcelo Calero contra Geddel Vieira Lima, que deixou a secretaria de Governo na semana passada. Calero afirmou que Temer o "enquadrou" para que ele atuasse na liberação de um empreendimento imobiliário em Salvador, no qual Geddel havia comprado um apartamento.

Para o partido, ao interceder por Geddel, Temer cometeu crime de responsabilidade "contra a probidade na administração", e procedeu de "modo incompatível com a dignidade, a honra e o decoro do cargo". Cabe ao presidente da Câmara, aliado de Temer, decidir se aceita ou não o pedido.

 

Por Agência Estado 

 

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade