SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Deltan Dallagnol vê 'vários jabutis' em projeto anticorrupção na Câmara

A proposta das "10 Medidas" encampada pelo Ministério Público Federal, que recebeu assinatura de mais de 2 milhões de pessoas, deu base ao texto do projeto anticorrupçã

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 29/11/2016 13:08

Luis Macedo/Camara dos Deputados

O procurador da República Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Operação Lava-Jato, no Paraná, afirmou em sua rede social que o projeto anticorrupção que deverá ser votado na Câmara, nesta terça-feira (29/11) "corrompe as 10 Medidas contra a Corrupção". Deltan apontou seis "jabutis" no "substitutivo que será apresentado no Plenário da Câmara".

A proposta das "10 Medidas" encampada pelo Ministério Público Federal, que recebeu assinatura de mais de 2 milhões de pessoas, deu base ao texto do projeto anticorrupção. Na manifestação, Deltan declarou que reconhece e respeita "a legitimidade e soberania do Congresso para debater e votar matérias com ampla liberdade".

Leia mais notícias em Política


"Também é importante, do mesmo modo, que possamos todos contribuir com as discussões para que o pacote anticorrupção seja melhorado. É nesse sentido que coloco preocupações sobre o texto que chegou às minhas mãos", afirmou.

No domingo (27/11) o presidente Michel Temer (PMDB) orientou os partidos aliados para votar contra a emenda que pode anistiar o caixa 2, caso seja apresentada durante a apreciação do pacote das dez medidas anticorrupção. A possível anistia ao caixa 2 provocou polêmica na semana passada.

Deltan Dallagnol apontou um "jabuti" ligado ao caixa 2. "Caixa 2: ao mesmo tempo em que é piorada a redação do novo crime de caixa dois, aparece um parágrafo único que tem uma redação perigosa. Ele trata de 'caixa 2' de 'origem ilícita'. Isso pode ser usado para argumentar na Justiça que propina recebida e usada para fins eleitorais, de modo oculto, não enseja o crime de lavagem de dinheiro, mas sim um crime com pena muito menor, o de 'caixa 2'. Essa foi justamente a tese da defesa no Mensalão, a de que não se tratava de corrupção ou lavagem, mas sim de crime de caixa 2", indicou.

Por Agência Estado

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade