Ligado ao DEM, MBL não deve protestar contra políticos da lista de Fachin

"Vamos esperar o resultado das investigações", afirmou Kim Kataguiri

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 12/04/2017 14:30

O Movimento Brasil Livre (MBL) não pretende fazer protestos contra os políticos que estão na lista de inquéritos abertos pelo ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava-Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), com base nas delações de executivos e ex-executivos da Odebrecht. 

"Vamos esperar o resultado das investigações", afirmou ao Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado, Kim Kataguiri, um dos líderes do grupo. De acordo com ele, o MBL só pretende incluir os políticos listados por Fachin na pauta de manifestações quando a Procuradoria-Geral da República (PGR) oferecer as denúncias contra esses investigados.
 

O MBL é ligado ao DEM, que teve pelo menos oito integrantes listados por Fachin. Entre eles, o presidente do partido, senador Agripino Maia (RN); o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ); o pai dele, o vereador do Rio de Janeiro César Maia; além da senadora Maria do Carmo (SE); e os deputados Felipe Maia (RN), José Carlos Aleluia (BA) e Onyx Lorenzoni (RS).

Como revelou com exclusividade o Grupo Estado nessa terça-feira (11/4), o ministro Edson Fachin autorizou abertura de inquérito para investigar ao todo 98 pessoas, incluindo oito ministros do governo Michel Temer, 24 senadores, inclusive o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), e 39 deputados federais.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.