Delações de outras empreiteiras podem comprometer ainda mais políticos

"Modelo de negócios" para minar os cofres públicos não era exclusividade da Odebrecht: próximos acordos de colaboração devem ser das empreiteiras Andrade Gutierrez e OAS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 15/04/2017 08:00 / atualizado em 15/04/2017 00:35

N.M/FuturaPress
 

 

As delações de 78 executivos da Odebrecht abalaram a República e mostraram como a maior construtora do país garantia lugar cativo nas principais obras públicas e apoio para contratos em 26 países. Entretanto, o “modelo de negócios” não era exclusivo da empresa e também será detalhado em colaboração das empreiteiras Andrade Gutierrez e OAS. Esses acordos, destacam os investigadores, trarão ainda mais dor de cabeça para a classe política porque demonstram que os contratos só eram firmados por meio de pagamentos ilícitos. Eles detalharão ainda repasses de propina e caixa dois para parlamentares, prefeitos, governadores, magistrados e membros de tribunais de contas.

 

Leia mais notícias em Política

 

No caso da companhia mineira, os dirigentes foram chamados pelo Ministério Público Federal (MPF) para atualizar as informações repassadas ainda em 2015, quando assinaram o primeiro acordo. O que se sabe até agora é que a empreiteira mantinha uma área específica responsável pelo pagamento de propina e caixa dois para diversos agentes públicos, assim como a Odebrecht. Os procuradores estimam que a lista de autoridades citadas extrapolará as mais de 100 já apontadas, o que trará ainda mais dificuldade para o presidente da República, Michel Temer, aglutinar a base aliada.

O setor de propina da Andrade, destacam os investigadores, teria feito pagamentos após a empreiteira garantir participação nas obras do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), na Ferrovia Norte-Sul, em estádios da Copa do Mundo, além de obras no estado de São Paulo, como o Rodoanel e linhas do Metrô. Parte do esquema, detalhou um dos colaboradores, ocorria por meio de operadores, que recebiam repasses da construtora a partir de notas frias por serviços não prestados. Assim, parte significativa dos pagamentos ocorria em espécie.

O primeiro acordo de delação premiada foi firmado pela Andrade Gutierrez em maio do ano passado. O termo previa a devolução de R$ 1 bilhão aos cofres públicos em oito anos. Entretanto, não está claro que a convocação dos executivos para atualizarem as informações repassadas aos investigadores implicará em aumento desses valores. Enquanto restam essas dúvidas, a empresa registrou no ano passado o terceiro ano seguido de queda de receitas. O faturamento despencou de R$ 14 bilhões em 2014 para R$ 8 bilhões em 2016.

Os herdeiros da companhia cogitaram a possibilidade de buscar um novo sócio com capacidade de fazer um aporte significativo para equilibrar as contas da companhia. O plano foi abortado e o atual presidente, Ricardo Sena, sucessor de Otávio Azevedo, tenta garantir contratos no exterior e não depender, no que for possível, de contratos com entes públicos.

Ligações

No caso da OAS, um primeiro acordo de delação premiada do ex-presidente da empresa José Adelmário Pinheiro Filho, conhecido como Léo Pinheiro, foi abortado em agosto do ano passado pela Procuradoria-Geral da República (PGR) após parte do conteúdo ter sido vazado. A empreiteira baiana, segundo relatos de investigadores, mantinha centralizado em Pinheiro o contato com políticos para distribuição de propina, diferentemente da Odebrecht, que teve 78 executivos envolvidos no caso. Agora a OAS deve envolver mais dirigentes nesse processo. Entre eles, a família Mata Pires, sócia majoritária e pouco citada, apesar de ter ligações profundas com o meio político. A esposa de Cesar Mata Pires, fundador da empresa, Tereza, é filha do ex-senador Antonio Carlos Magalhães. Em Salvador, berço da empresa, são comuns as piadas de que a sigla que dá nome à construtora significa “Obrigado Amigo Sogro”.

Apesar da ligação, as famílias romperam relações há anos e Cesar Mata Pires foi obrigado a vender a parte de uma TV na Bahia. Apontado como um homem de difícil relacionamento, Mata Pires agora precisa conseguir acordos de delação premiada e de leniência para tentar salvar a empreiteira, que está em recuperação judicial. Apesar de apontado por quem o conhece como um homem de personalidade difícil, ele precisará delatar autoridades públicas com as quais manteve relacionamento e que ajudaram a empresa a prosperar.

Antes da suspensão das negociações para um acordo de delação premiada, executivos da OAS apontaram o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), integrantes da campanha da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) e os senadores Aécio Neves (PSDB-MG) e José Serra (PSDB-SP) como beneficiários de recursos ilícitos. Pinheiro teria afirmado que o apartamento triplex no edifício Solaris, no Guarujá (SP), era destinado a Lula. A negociação em curso, comandada por procuradores em Brasília e em Curitiba (PR), envolve também a delação de magistrados e integrantes de tribunais de contas. Os procuradores querem ter acesso a toda a teia de relações dos executivos.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
José
José - 15 de Abril às 10:17
QUERO QUE TODOS ESSES POLÍTICOS MISERÁVEIS, VÃO PARA O QUINTO DOS INFERNO.
 
José
José - 15 de Abril às 10:03
Esses políticos canalhas deveriam estar presos e, tomar todos os bens, dinheiro, que eles adquiriram com a corrupção.