SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Maia diz ter convicção que a Reforma da Previdência será aprovada

Presidente da Câmara diz que novo texto da proposta não deve mais ser alterado, porque se cortar mais, "não vai resolver"

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 21/04/2017 11:25 / atualizado em 21/04/2017 14:03

Juan Guerra/Divulgação
 
 
Foz do Iguaçu (PR) — O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que está convicto que o governo conseguirá aprovar a Reforma da Previdência. “Eu tenho convicção que vamos aprovar a reforma da Previdência. A base está coesa e já cortamos todas as gorduras. Chega, se cortar mais não resolve”, afirmou ele, e depois foi aplaudido pelos 400  empresários e autoridades presentes no seminário “As ações necessárias para retomada do crescimento brasileiro”, no 16° Fórum Empresarial, organizado pelo Grupo de Líderes Empresariais (Lide), em Foz do Iguaçu, na manhã desta sexta-feira (21/04).
 
 
Maia contou que, como está querendo emagrecer e os parlamentares descobriram isso, quando ele caminha, faz reuniões com um parlamentar por dia. “Na política o diálogo vale muito”, afirmou. O deputado garantiu que as reformas da Previdência e Trabalhista serão aprovadas “no primeiro semestre”. Ele reiterou que pretende votar a proposta de reforma da Previdência no plenário da Casa, dia 8 de maio, mas admitiu que, “se necessário”, poderá adiar a votação se perceber que não haverá o quórum necessário para a aprovação.
 
O parlamentar ressaltou que a “espinha dorsal” da proposta de mudança do regime previdenciário, a idade mínima de 65 anos, inclusive, para servidores, "precisa ser mantida" e que o novo texto do relator, o deputado Arthur Maia, não deve sofrer mais alterações pela casa. Ele criticou os sindicatos contrários às reformas e disse que eles representam uma minoria, responsável por uma parte expressiva do saldo negativo da Previdência. “São dois milhões de pessoas que representam um rombo de R$ 70 bilhões enquanto as aposentadorias de 30 milhões de pessoas do setor privado tiveram deficit de R$ 150 bilhões, dos quais a maior parte são benefícios rurais, onde há muita fraude”, ressaltou Maia. “São esses os pontos mais importantes”, disse Maia. Ele não descartou que, no futuro, será necessária uma mudança na questão do Benefício de Prestação Continua (BPC), retirando essa conta da Previdência. “Isso não é previdência, é assistência social e será necessário discutir mais para frente como é que vamos pagar essa conta”, destacou.
 
Maia demonstrou indignação com as manifestações de policiais civis que depredaram as portas de vidro do Congresso Nacional. “A polícia que deveria estar preocupada em fazer a segurança quebra a entrada da Casa. A gravidade desse ata é muito maior do que pressionar a agenda que é extensa e é preciso enfrentá-la”, disse. De acordo com Maia, as reformas Trabalhista e a da Previdência serão aprovadas no primeiro semestre e que, na segunda metade do ano, será a vez da reforma tributária. O presidente da Câmara ainda falou que vetou reajustes para servidores da Câmara neste ano como forma para respeitar a emenda constitucional do teto para os gastos e que, “no próximo ano, haverá uma nova reforma administrativa”.
 
*a jornalista viajou a convite do Lide
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.