Vice-líder do governo na Câmara detona Joesley Batista: 'moleque escroto'

Darcísio Perondi assegurou que Temer está "indignado", mas firme no propósito de buscar a verdade

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 18/05/2017 17:00 / atualizado em 18/05/2017 17:19

O vice-líder do governo na Câmara do Deputados, Darcísio Perondi (PMDB-RS), chamou o empresário Joesley Batista de "moleque escroto que há 15 anos era dono de um matadouro em Goiás e graças à aproximação com o PT e o dinhero do BNDES montou o maior frigorífico do país". 
 
 
Perondi garantiu que os ataques que o governo está sofrendo são porque as reformas que estão sendo implementadas atacam interesses de poderosos e assegurou que o presidente Michel Temer está indignado, mas firme no propósito de buscar a verdade.

"Ele encaminhou um ofício ao ministro Edson Facchin pedindo acesso aos vídeos e às gravações. Pessoas indignadas trabalham 60 horas por dia e estamos fazendo reformas que não são de grupos ou de sincatos. Mas reformas necessárias para o país". 

Perondi garantiu que tanta a reforma da Previdência quanto a trabalhista serão votadas no Congresso e considerou natural que o senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES) tenha suspendido o cronograma de tramitação da reforma trabalhista no Senado: "ele é o relator, mas tudo irá se nornamlizar mais para frente". 

Pouco depois do término do pronunciamento do presidente Temer, o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, chegou ao Planalto apra uma reunião com o peemedebista. Segundo ele, a posição do PSDB, inclusive indicada pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, é que "venham a público as fitas e gravações para que não fiquemos nessas dúvidas". 

Aluyzio não quis adiantar se o partido irá deixar a base de apoio do governo e nem quis comentar as especulações de que o ministro das Cidades, Bruno Araújo, ja estaria disposto de fato a entregar o seu cargo. "Não posso falar nada antes de conversar com o presidente Temer". 
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.