Petistas já traçam estratégia para eleição indireta

Deputados petistas apostam na divisão da base do governo em um eventual colégio eleitoral

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 20/05/2017 09:45

A cúpula do PT defende que o partido aposte todas suas fichas nas mobilizações populares pela realização de eleições diretas para uma eventual sucessão do presidente Michel Temer. No entanto, setores influentes da bancada do partido na Câmara já traçam estratégias para o caso de um colégio eleitoral no Congresso. 

Deputados petistas apostam na divisão da base do governo em um eventual colégio eleitoral. Neste caso, defendem que o PT apoie o candidato que se comprometa a fazer um mandato de "superação da crise", com diálogo entre os diversos setores políticos e, principalmente, retirar de pauta as reformas trabalhista e da Previdência.


A ideia parte do mesmo setor da bancada petista que defendia apoio a Rodrigo Maia (DEM-RJ) na eleição para a presidência da Câmara, em julho do ano passado, com aval do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, mas foi obrigada a recuar diante da pressão da militância. 

Voto popular


A hipótese enfrenta oposição da cúpula partidária que, reunida em caráter excepcional anteontem em São Paulo, aprovou resolução que rejeita qualquer alternativa que não seja pelo voto popular. Setores da bancada também são contra. "Nosso caminho é o das eleições diretas", disse o deputado Paulo Teixeira (PT-SP).

Para a cúpula petista, a possibilidade de participar de um colégio eleitoral pode esvaziar o principal ativo político acumulado pelo partido após deixar o governo: a reconciliação com movimentos sociais.

Na quarta-feira, o senador Lindbergh Farias (PT-RJ) vai apresentar na Comissão de Constituição e Justiça do Senado parecer favorável à PEC que prevê eleições diretas em caso de vacância da Presidência até um ano antes do fim do mandato. Hoje, o prazo é de dois anos. "Não vamos participar de nenhum pacto que seja feito sem a participação do povo."
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.