Lula defende punição a empresário, sem prejudicar companhias

Durante seu discurso neste sábado, Lula também mencionou o processo de impeachment da ex-presidente Dilma

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 20/05/2017 12:44 / atualizado em 20/05/2017 13:29

Luis Nova/Esp. CB/D.A Press

O ex-presidente Lula afirmou que a punição de empresários que cometeram atos ilícitos não pode prejudicar as empresas. "Tem de punir empresário que roubou? Tem, mas não pode destruir a empresa, porque quem paga é o trabalhador que não tem nada que ver com isso", disse, mencionando as perdas de vagas na construção civil e na indústria naval.


Lula defendeu que as investigações respeitem o Estado de Direito "Não queremos virar um estado policial, respeitem as leis. Defendemos que as acusações sejam democraticamente julgadas. Vale PT, PMDB, procuradores, juízes, papa, todo mundo. Lei é lei Não existe nenhuma instituição maior que a outra." Segundo ele, o PT pode ensinar a combater a corrupção com os mecanismos criados durante os anos em que a sigla esteve no poder.

Durante seu discurso na posse da direção do diretório municipal de São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, na manhã deste sábado (20), transmitida por sua página no Facebook, Lula também mencionou o processo de impeachment da ex-presidente Dilma, chamando-o de "golpe", e o correlacionou com a atual crise econômica.

"Até um tempo atrás, o Brasil era o País mais otimista do planeta Terra. Tínhamos a expectativa que, em 2016, o Brasil seria a 5ª economia do mundo. Lamentavelmente, isso não aconteceu. O golpe fez com que o Brasil chegasse aonde chegou."

O petista ainda afirmou que o objetivo do "golpe" não era melhorar o país ou combater a corrupção, mas sim, segundo ele, por uma vontade de "entregar a economia ao capital estrangeiro".

 

Veja o discurso na íntegra:

 

 

 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.