Etchegoyen: fogo em ministério e efetivo fraco levou ao uso do Exército

Ele disse que o "gatilho disparador" da decisão de Temer de empregar o Exército no local do protesto foi a notícia de incêndio do prédio do Ministério da Agricultura

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 25/05/2017 13:06

O ministro do Gabinete de Segurança Institucional, o general Sérgio Etchegoyen, não escondeu o mal estar entre o Planalto e o governador de Brasília, Rodrigo Rollemberg (PSB), após a manifestação desta quarta-feira (24/5), na Esplanada dos Ministérios, contra as reformas e o presidente Michel Temer. 

Em entrevista na manhã desta quinta-feira, Etchegoyen evitou polemizar, mas reconheceu que o uso do Exército na proteção dos prédios públicos ocorreu diante da avaliação de que o efetivo da Polícia Militar era insuficiente. "Não vou alimentar querelas com o governo do Distrito Federal", afirmou. "Não vamos imaginar que haja briga."

Ele disse que o "gatilho disparador" da decisão de Temer de empregar o Exército no local do protesto foi a notícia de incêndio do prédio do Ministério da Agricultura. 

Pelo relato de Etchegoyen, a manifestação começou pacífica e que por volta de 14h30 as coisas evoluíram para um confronto com grupos que ele chamou de radicais. Foi quando o sistema de segurança do Palácio mandou mensagem para os secretários-executivos dos ministérios sugerindo a dispensa dos funcionários. Em seguida, houve, segundo ele, o "momento culminante" do incêndio do prédio da Agricultura. "Tendo em vista o pequeno efetivo para aquela situação, tivemos que empregar as Forças", disse o general. 

Com a volta da tranquilidade da Esplanada, o governo, nesta manhã, decidiu revogar o decreto de convocação das Forças Armadas, ressaltou o ministro. Etchegoyen disse que o clima numa reunião de representantes da segurança do Planalto e do Governo do Distrito Federal, ontem, foi de absoluta harmonia.

Irritação 


Na noite de quarta, ministros e assessores do Planalto demonstravam irritação com o governador de Brasília. Rodrigo Rollemberg (PSB) menosprezou, segundo eles, avaliações do governo federal de que o protesto poderia ser violento. O palácio chegou a propor reforço do efetivo e do setor de inteligência da PM.





Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.