Presidente da CCJ da Câmara marca discussão da PEC das Diretas para dia 13

A oposição concordou com a data agendada e retirou os requerimentos que obstruíam os trabalhos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 06/06/2017 16:43

O presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), decidiu marcar para a próxima terça-feira (13/6) a apreciação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da Eleição Direta. Contrariando a base governista, Pacheco alegou que a comissão está há duas semanas paralisadas. "Não posso travar a CCJ eternamente por uma conveniência que para mim não se justifica", declarou Pacheco.

O peemedebista ressaltou que na próxima semana "o governo terá de enfrentar essa realidade" e lembrou que a CCJ do Senado já conseguiu aprovar uma proposta de conteúdo semelhante. A oposição concordou com a data agendada e retirou os requerimentos que obstruíam os trabalhos.

A base aliada, no entanto, manteve os requerimentos para continuar obstruindo os trabalhos. O grupo teme não ter votos suficientes para barrar a PEC na comissão. O vice-líder do governo, Darcísio Perondi (PMDB-RS), alegou que o tema não é de interesse do governo e que votar a PEC na CCJ é "botar mais querosene" na situação. "Não quero eleição direta para votar no Lula. É um golpe na Constituição", discursou.

O deputado Fausto Pinato (PP-SP), que assina com Perondi um requerimento pedindo ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, explicações sobre sua relação com Ricardo Saud, da J&F, pregou cautela. "O momento é de serenidade. Não podemos criar um fato político neste momento", afirmou.

Até o momento, o pedido de explicações a Fachin não foi incluído na pauta desta tarde.
Tags: pec câmara
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.