Defesa de Temer formaliza no STF pedido para adiamento das respostas da PF

Segundo os advogados, a Polícia teve seis dias para formular as perguntas, então o presidente também precisa de um prazo maior

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 06/06/2017 16:47 / atualizado em 06/06/2017 17:22

A defesa do presidente da República, Michel Temer, protocolou no Supremo Tribunal Federal (STF) na tarde desta terça-feira (6/6) requerimento para que as respostas às 82 perguntas da Polícia Federal sobre o inquérito em andamento na Suprema Corte sejam feitas até a próxima sexta-feira ou sábado (9 ou 10).
 
 
Os advogados de Temer entendem que, como a Polícia Federal teve seis dias para formalizar as perguntas, o peemedebista também deve ter direito de um prazo maior para a formação das respostas.
 
"A Autoridade Policial demorou seis dias para a elaboração dos quesitos, pois recebeu os autos em 30 de maio de 2017 e os devolveu em 5 de junho. Para ele, reitere-se, foi fixado prazo de um único dia", pondera o advogado Antônio Cláudio Mariz. 
 
A defesa ainda argumenta que a responsabilidade de responder as perguntas é mais complexa do que a elaboração delas. “Portanto, é necessário que o presidente disponha de um prazo razoável”, ressalta o advogado.
 
A análise de cada uma das 82 indagações, enfatiza a defesa, imporá um grande esforço “que não poderá descuidar das obrigações inerentes ao cargo”. “Dentre as quais a de cumprir a sua carregada agenda, marcada por compromissos que lhe ocupam mais de 15h por dia”, sustentou Mariz.
 
Os advogados reforçam, ainda, que, além da “complexidade e surpreendente quantidade de quesitos formulados”, os questionamentos foram feitos antes mesmo da conclusão da perícia do áudio gravado entre Temer e o empresário Joesley Batista, um dos delatores da J&F.
 
O requerimento foi formalizado diretamente para o relator do inquérito no STF, ministro Edson Fachin. Tal petição, por sua vez, foi encaminhada à Procuradoria-Geral da República (PGR). 
 
As perguntas foram entregues ontem pela PF à defesa de Temer, às 16h30. São questões que não abordam apenas o áudio da conversa entre Temer e Batista.

Tags: temer stf
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Gutemberg
Gutemberg - 06 de Junho às 20:13
Quem não deve não "TEMER". Querem mais dias para manipular ou consultar outros corruptos da nossa "Suprema Corte"...ACORDA BRASIL...renuncia que é melhor de que ficar fazendo charminho de bandido...fora corrupto! para não perder de vez o que conquistou com suor do seu próprio roubo.