Vazamentos não invalidam provas, avalia o ministro Herman Benjamin

Avaliação de ministro contraria defesas de Dilma e Temer que pedem que delações de executivos da Odebrecht sejam desconsideradas do processo

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 07/06/2017 11:37

O ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Herman Benjamin, relator do processo de pode cassar a chapa Dima-Temer por abuso de poder político e econômico, destacou que o vazamento de delações e trechos de depoimentos não invalida as provas presentes nos autos. "Se aceita a tese de que vazamento anula a prova, poder-se-ia imaginar a facilidade com que processos eleitorais seriam anulados", disse.

As defesas do presidente Michel Temer e da ex-presidente Dilma Rousseff questionam o fato de delações e depoimentos vazados terem sido usados no processo. “Não qualquer colaboração premiada usada nos autos. Todos os colaboradores foram ouvidos em juízo como testemunha e não há conteúdo de delação vazada. Aliás, esse processo estaria anulado. Ele vazou, em suas oitivas, em tempo real”, destacou o relator. 
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.