Admar reconhece esquema de propina, mas absolve chapa Dilma-Temer

Admar até admitiu que, de fato, tenha havido um esquema de distribuição de propinas com recursos desviados da Petrobras

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 09/06/2017 17:51

O terceiro ministro a falar na tarde de hoje, Admar Gonzaga, acompanhou Napoleão Nunes e desempatou, pró-Temer, o julgamento do pedido de cassação da chapa presidencial de 2014. Ele também confirmou que nção levaria em contas as delações ou os depoimentos prestados pelos ex-executivos da Odebrecht. “Fatos gravíssimos devem ser analisados na esfera própria. O colegiado não deu carta branca para apurar fatos sem relação direta com o pedido. Não levarei em consideração o que foi apurado a partir de 1º de março deste ano."

Admar até admitiu que, de fato, tenha havido um esquema de distribuição de propinas com recursos desviados da Petrobras. E que esses recursos foram direcionados aos maiores partidos, por meio legal (caixa 1) ou por outros caminhos. “Mas não há provas cabais que as doações para a campanha de 2014 tenahm vindo desses recursos”, completou Admar.

O ministro disse que, para se inferir isso, seriam necessárias provas cabais de que “os valores equivalentes deste esquema tenham sido distribuídos como rubrica para a campanha de 2014”, explicou Admar. O ministro, que assumiu o posto em substituição a Henrique Neves, afirmou ainda que, diante da “míngua de elementos e do contexto de gravidade vivido pelo país, não reconheço a prática de abuso de poder econômico”. 
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
RAIMUNDO
RAIMUNDO - 09 de Junho às 18:31
A cada dia tenho mais convicção de que a escolha e indicação dos Ministros dos Tribunais Superiores não podem ser por meio de indicação política. Haja vista, que resta comprovado, historicamente, que na grande maioria, os ministros indicados politicamente não têm independência, sempre votam a favor de seu grupo político. Isso precisa ser alterado na nossa Constituição Federal. Essa escolha deveria ocorrer entre juízes togados, e escolhidos por seus pares e indicados para um período de tempo determinado. Certamente, as decisões seriam mais justas, especialmente, em relação aos crimes de corrupção.