PSDB vai recorrer da decisão do TSE, diz líder do partido na Câmara

Segundo o líder do partido na Câmara, deve ser apresentado um recurso no STF questionando a decisão do TSE

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 12/06/2017 22:24 / atualizado em 12/06/2017 23:37

O líder do PSDB na Câmara, deputado Ricardo Tripoli (SP), anunciou na noite desta segunda-feira (12/6) que o partido vai recorrer da decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de não cassar a chapa Dilma-Temer durante o julgamento concluído na semana passada. Segundo ele, a decisão foi tomada durante reunião ampliada da executiva nacional e de outras lideranças tucanas, quando o partido decidiu permanecer na base aliada de Temer.


Leia mais notícias em Política

"O partido vai recorrer, a forma como vai recorrer ainda não foi definida", disse Tripoli em entrevista coletiva. Para ele, o melhor caminho deve ser apresentar um recurso extraordinário no Supremo Tribunal Federal (STF) questionando a decisão do TSE. "A ação é do PSDB. Se não entrar (com recurso), está prevaricando. A incoerência seria não ocorrer", acrescentou o líder tucano, ao ser questionado se o recurso contradiz a decisão da maioria do PSDB de não desembarcar do governo. 

Na entrevista, Tripoli afirmou ainda que houve "convergência" entre os presentes da reunião sobre antecipar as eleições para escolha de novos membros da executiva nacional do PSDB. A eleição, que escolherá o substituto definitivo do senador afastado Aécio Neves (MG) na presidência do partido, está prevista somente para maio de 2018. Como antecipou o Broadcast/Estadão no último dia 8 de junho, senadores e deputados querem antecipar o pleito para o segundo semestre deste ano.
 
Sobre a denúncia do Janot, Tarso Jereissati diz que a questão ainda não está fechada. "A bancada tem opiniões diferentes, então será um voto de confiança e não do partido", disse. "A decisão de hoje é que cada um vota de acordo com sua consciência", finalizou.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.