Joesley Batista: 'Temer é o chefe da quadrilha mais perigosa do Brasil'

Empresário dono da JBS detalha como começou o relacionamento com o presidente da República e explica como Temer chefiava o esquema de propinas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 16/06/2017 22:55 / atualizado em 16/06/2017 23:10

Vanessa Carvalho/AFP
 Um dos donos do grupo J&F, holding dos frigoríficos JBS, Joesley Batista, detalhou como era seu relacionamento com o presidente Michel Temer, desde 2009, quando se conheceram. Segundo o empresário, que explodiu a delação mais estrondosa da Operação Lava-Jato, citando o presidente da República e o agora senador afastado Aécio Neves diversas vezes, Temer é o "chefe da quadrilha mais perigosa do Brasil". A declaração foi dada em entrevista à revista Época
 

Joesley, que prestou mais um depoimento na manhã desta sexta-feira (16/6) na sede da Polícia Federal, em Brasília, não economizou em adjetivos ao presidente. Ele detalha como se tornou o maior empresário articulador de políticos na história do Brasil. À revista, ele detalha porque decidiu delatar o chefe do Executivo nacional e fala sobre o jeito de Temer convocar uma reunião. "Nunca foi uma relação de amizade. Sempre foi uma relação institucional, de um empresário que precisava resolver problemas e via nele a condição de resolver problemas. Acho que ele me via como um empresário que poderia financiar as campanhas dele – e fazer esquemas que renderiam propina. Toda vida tive total acesso a ele. Ele por vezes me ligava para conversar, me chamava, eu ia lá", disse o empresário. 

Quando questionado se Temer pedia algo em troca, Joesley disse que as reuniões — que aconteciam tanto no Jaburu, quanto na residência do peemedebista, em São Paulo, em sua casa — sempre estavam ligadas a algum pedido, algum favor. " Uma delas foi quando ele pediu os R$ 300 mil para fazer campanha na internet antes do impeachment, preocupado com a imagem dele. Fazia pequenos pedidos", explicou. 

Batista cita nomes de políticos influentes. Temer, Eduardo Cunha, Padilha, Moreira Franco... Segundo ele, é um grupo liderado pelo próprio presidente. "Quem não está preso está hoje no Planalto. Essa turma é muita perigosa. Não pode brigar com eles. Nunca tive coragem de brigar com eles. Por outro lado, se você baixar a guarda, eles não têm limites. Então meu convívio com eles foi sempre mantendo à meia distância: nem deixando eles aproximarem demais nem deixando eles longe demais. Para não armar alguma coisa contra mim", disse à revista. 
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
pedro
pedro - 17 de Junho às 11:10
Já se sabia que o PMDB é a quadrilha mais perigosa do Brasil.
 
waldir
waldir - 17 de Junho às 01:39
E vc é o que ehmmmm, com certeza vc também faz parte da quadrilha, pois se não fosse sua malandragem pra conseguir tudo fácil pra suas empresas junto ao governo, certamente vc não seria bilionário, fique sabendo que vc faz muito mal para o Brazil... vc é da quadrilha o pior dos criminosos, cometeu vários crimes e só nao ta preso porque é no Brasil, pais das injusticas. Fez o que fez e ainda se acha na condicao de pousar como um bom mocinho. Só no Brasil mesmo um absurdo desse. 10000 anos de cadeia pra vc ainda é pouco.