Advogados de defesa da JBS falam que empresa sofre 'retaliação'

O escritório destaca uma lista de ações de órgãos públicos que ilustrariam seus argumentos. O primeiro deles é que os bancos públicos, como Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal, foram as primeiras instituições financeiras a cortar o crédito para empresas do grupo bem antes dos privados

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 22/06/2017 09:01 / atualizado em 22/06/2017 15:03

O escritório de advocacia Bottini & Tamasauskas, que atua na defesa da JBS e participou das negociações do acordo de leniência, considera que seu cliente está sendo vítima de "retaliação" do governo. "Consideramos que, sim, a empresa vem sendo perseguida porque decidiu colaborar com as autoridades para o esclarecimento de crimes", diz a nota enviado pelo escritório ao "Estado". 

O escritório destaca uma lista de ações de órgãos públicos que ilustrariam seus argumentos. O primeiro deles é que os bancos públicos, como Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal, foram as primeiras instituições financeiras a cortar o crédito para empresas do grupo bem antes dos privados. No mercado, haveria temor de que os bancos públicos até viessem a complicar uma rolagem da dívida, se fosse necessário. 

Fontes do setor bancário dizem que é natural que novas linhas de crédito sejam cortadas por todos os bancos, não só os públicos, por empresas que estão passando por um processo de depuração, como é o caso do grupo J&F. Muitas incertezas rondam a empresa e a capacidade de pagamento de dívida fica comprometida, na medida em que multas bilionárias vão sendo aplicadas. Além disso, desde ontem, vai pesar também o fato de o juiz da Operação Bullish (que investiga as operações entre o grupo e o BNDES), responsável por autorizar os irmãos Batista fazerem qualquer coisa em seus negócios, ter proibido a venda de ativos, quando precisam justamente fazer caixa. "Esse dinheiro ia ser usado para pagar dívida", diz um banqueiro. 

Nos bancos públicos, as equipes técnicas trabalham com a perspectiva de renovar as linhas de crédito. Fontes próximas ao presidente do BB dizem que não houve qualquer tipo de pressão do governo para que não houvesse renovação do crédito das empresas do grupo J&F e mesmo que houvesse seria algo que dificilmente o BB faria pelo prejuízo econômico que isso geraria. Além disso, o banco tem capital aberto e consegue se blindar de certa forma de uma ingerência política. 

O banco tem uma exposição a empresas da J&F de cerca de R$ 5 bilhões, boa parte em linhas de crédito de comércio exterior. Nas negociações de renovação de linhas, porém, o custo tem sido alterado, estão sendo feitas exigências de novas garantias e até mesmo de mudança na gestão da companhia - procedimentos que também têm sido comuns entre bancos privados. 

O banco com maior exposição ao grupo é a Caixa, com cerca de R$ 10 bilhões em créditos. O banco não quis comentar. Porém, segundo fontes de outras instituições, a equipe técnica da Caixa tem negociado normalmente a renovação de linhas com o grupo. Entre os privados, estima-se que o banco com maior exposição é o Santander com cerca de R$ 4,5 bilhões. O Bradesco tem R$ 3,2 bilhões e o Itaú R$ 1,5 bilhão. Os bancos não quiseram comentar.

Bloco
A defesa do grupo J&F, controlador da JBS, também está preocupada com a reação em bloco de outros órgãos públicos. A Petrobrás lançou mão de uma cláusula anticorrupção para extinguir o contrato de fornecimento de gás para a Âmbar, outra empresa do grupo, e anunciou a cobrança de uma multa da ordem de R$ 70 milhões.

A CPI da Previdência convocou diretores da JBS para depor sobre as dívidas previdenciárias da companhia. Mas o escritório destacou que o gerente jurídico da área tributária da JBS, Fábio Chilo, foi questionado sobre compra de dólares, empréstimos do BNDES e outros temas além do escopo da CPI e de suas atribuições na empresa. Também lembrou que a mesma Advocacia Geral da União (AGU), que ontem pediu o bloqueio de bens da empresa, já havia dito que iria processar a JBS e havia solicitado acesso ao acordo de leniência. 

Apesar de a insegurança em relação a JBS ter aumentado, a ação da empresa subiu 5,32%, a maior alta da Bolsa ontem. Para profissionais do mercado, teria sido uma reação à notícia, divulgado pelo Estado, de que já há interessados nos ativos da JBS. Mas seria ainda um movimento natural de recuperação, pois o papel acumula em junho queda de 21,5%, já contabilizado o desempenho de ontem. Os bancos americanos Morgan Stanley, JPMorgan e Citigroup se destacaram como compradores.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
marcelo
marcelo - 22 de Junho às 10:54
uai, se o governo conitnuar a emrpestar dinehrio a eles, ainda dirao qeu o temer qeum mandou seguir dando dinheiro