Renan vai deixar liderança do PMDB com discurso crítico a Temer

O peemedebista, que tem feito críticas às reformas proposta pelo governo, deve voltar a atacar o Palácio do Planalto

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 28/06/2017 15:52

O senador Renan Calheiros (PMDB-AL) vai deixar a liderança do partido no Senado. O anúncio deve ser formalizado ainda na tarde desta quarta-feira (28/6), em discurso no plenário da Casa.


O peemedebista, que tem feito críticas às reformas proposta pelo governo, deve voltar a atacar o Palácio do Planalto. A avaliação de Renan é de que ele é mais útil na oposição do que como aliado O peemedebista também avalia que, ao ter a imagem atrelada ao governo, pode enfrentar dificuldades para se reeleger ao Senado em 2018, uma vez que o presidente tem taxas extremamente altas de reprovação em Alagoas.

Uma reunião da bancada peemedebista está marcada para o fim da tarde de hoje. O nome preferido de Renan para substituí-lo é o de Jader Barbalho (PMDB-PA), considerado um aliado, mas que não se posiciona contra Temer por ser pai do ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho.

A saída do comando da bancada se dá após o peemedebista discutir asperamente com o líder do governo na Casa, senador Romero Jucá (RR), na sessão plenária de terça-feira (27/6). Na ocasião, Renan insinuou que poderia trocar integrantes do partido na Comissão de Constituição e Justiça (CC) para barrar a reforma trabalhista

"Temer não tem confiança da sociedade para fazer essa reforma trabalhista na calada da noite, atropeladamente. Num momento em que o Ministério Público, certo ou errado, apresenta uma denúncia contra o presidente, não há como fazer uma reforma que pune a população", afirmou ontem o peemedebista.

Leia mais notícias em Política

Após o discurso agressivo de Renan contra o governo, Jucá reagiu em defesa do presidente e ameaçou retirar o colega da liderança do partido.

Ontem mesmo o líder do governo começou a recolher assinaturas para destituir Renan do cargo. Segundo Jucá, 17 dos 22 senadores apoiam a reforma trabalhista.


Tags: temer pmdb renan
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.