Tripoli: denúncia contra Temer pode fazer PSDB deixar base aliada

Segundo Tripoli, o partido está avaliando a questão "diariamente", mas que a vontade de integrantes da bancada de permanecer na base é "menor" do que quando a decisão foi tomada na reunião da Executiva da sigla, em 12 de junho

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 28/06/2017 18:03

Ao lado do prefeito de São Paulo, João Doria, o líder do PSDB na Câmara, Ricardo Tripoli (SP), disse que a denúncia apresentada contra o presidente Michel Temer aumenta a possibilidade de o partido deixar a base aliada do governo.


Segundo Tripoli, o partido está avaliando a questão "diariamente", mas que a vontade de integrantes da bancada de permanecer na base é "menor" do que quando a decisão foi tomada na reunião da Executiva da sigla, em 12 de junho. "Se você me perguntasse hoje, eu diria a condição é muito menor do que foi naquela reunião nossa", afirmou.

O líder tucano mostrou preocupação com a capacidade de o peemedebista manter a governabilidade após a apresentação da denúncia pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot. "Se houver a condição de governabilidade, nós daremos apoio ao Estado brasileiro, não importa qual o governo", disse.

Tripoli também afirmou que vai dar "liberdade" para os integrantes do partido votarem como quiserem na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), onde a denúncia contra Temer vai começar a tramitar. "Não há nenhum motivo para a substituição de qualquer um deles. Eu disse, desde o início, que eles votariam de acordo com a consciência deles. Eu espero que eles tenham uma única posição, mas eles terão liberdade", afirmou.

 

Leia mais notícias em Política 

Doria


Assim como nas declarações que deu mais cedo, Doria adotou o tom de cautela e afirmou que uma eventual saída de Temer poderia "prejudicar fortemente a economia brasileira" e aumentar o número de desempregados, que hoje já alcança a casa dos 14 milhões. "Eu não defendo o presidente Michel Temer, eu defendo o País", disse.

O prefeito de São Paulo cumpre uma extensa agenda em Brasília nesta quarta-feira, 28. Após se reunir com os presidente da Câmara e do Senado pela manhã, afirmou que o juízo sobre Temer não cabia à opinião pública, mas sim ao Poder Judiciário.

 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.