"É preciso avaliar, dia a dia, o apoio a Michel Temer", diz João Doria

Prefeito de São Paulo diz que o PSDB deve decidir até o fim do ano quem será seu candidato à Presidência. E admite que está no páreo

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 29/06/2017 08:04 / atualizado em 29/06/2017 09:16



O prefeito de São Paulo, João Doria, defende que, entre outubro e dezembro, o PSDB defina o candidato do partido para disputar o Palácio do Planalto. Aos 59 anos, o tucano acredita que, apenas com tal prazo, a um ano das eleições de 2018, possa ser possível viabilizar um nome para a Presidência da República.

Sobre a lealdade do PSDB ao governo de Michel Temer, Doria afirma que as avaliações devem ser feitas dia a dia. “Temos uma situação de dificuldade. Há uma agonia no país. E, a cada dia, é necessário avaliar essa agonia. Essa é uma circunstância”, diz. “Não estou dizendo que deva permanecer (no governo). Digo que é preciso avaliar e não apenas tomar uma decisão. Significa discutir sobre ela e, se tiver que tomar uma decisão, como tomá-la”, completou.

Na visão do prefeito, a Justiça não deve prender o ex-presidente Lula antes das eleições de 2018 sob pena de criar um mártir que tornará a crise política do país ainda mais aguda. Doria chama a atenção para o que classifica como fator novo nas eleições: o deputado Jair Bolsonaro. “Você pode não gostar, você pode duvidar, você pode desprezar, você pode desqualificar. Mas ele tem força”, afirma

Doria não diz que o nome do PSDB para o Planalto é o dele, mas também não refuta a possibilidade. Ao contrário. Em entrevista ao Correio na noite de ontem, ele chegou muito perto de confirmar a candidatura. Ele sugere que as pesquisas possam servir de parâmetros para a escolha do nome tucano. Hoje, o prefeito teria mais votos, mesmo dentro da margem de erro, que o governador Geraldo Alckmin, que não abre mão da candidatura. “As pesquisas ajudam a definir um critério. Talvez não seja o único. Mas minha lealdade ao governador Alckmin é total”, enfatiza.

Ao falar das provocações do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, afirma que o líder tucano ganhará “música no Fantástico”, fazendo referência, mesmo que às avessas, ao programa de TV em que um jogador escolhe uma música ao fazer três gols numa única partida. No caso — de “forma bem-humorada”, como Doria deixou claro —, as menções a FHC foram sobre três bolas fora do ex-presidente. A seguir, os principais trechos da entrevista.

Luis Nova/Esp. CB/D.A Press

O senhor teve uma agenda cheia em Brasília. É uma agenda de candidato à Presidência da República?

É uma agenda acelerada do prefeito de São Paulo.

O senhor falou, em almoço com empresários, que o candidato a presidente é o Geraldo Alckmin e que o senhor jamais o atropelaria. Mas também disse que quem escolhe o candidato à Presidência é o povo. As portas estão abertas para a sua candidatura? É isso?

Quero reafirmar: o que eu disse não é diferente do que eu comentei em Lisboa. Quem usou essa frase foi o governador Geraldo Alckmin e o ex-presidente Fernando Henrique. Adianta pouco nós desejarmos. Quem tem que desejar é o povo. É ele que elege.

Mas o critério para isso seriam as pesquisas?

A pesquisa ajuda a definir o critério. Talvez não seja o único. Mas é muito clara a minha lealdade ao governador Geraldo Alckmin. Nós nos falamos sempre. Temos muita amizade e uma relação de coexistência muito fraterna e muito constante. Sem nenhum ato, sem nenhum gesto, nenhum comportamento que possa constrangê-lo de seguir a sua trajetória e o seu objetivo. Ele tem toda a legitimidade para isso. Tanto ele quanto eu entendemos que não é hora para tratarmos desse tema. Esse é um assunto para outubro e novembro deste ano. Ou seja, há um ano do pleito, aí sim se tomará uma decisão.

O senhor também tratou de temas controversos e polêmicos de um candidato à Presidência da República: Bolsa Família, privatização, estado mínimo... E mostrou sua posição de forma clara. Se essa candidatura surgir, assim serão os debates?

Foi assim que eu ganhei a prefeitura. Foi assim que eu ganhei a eleição. Não estou dizendo que eu vá disputar, nem que vá debater. Apenas estou mencionando que foi com a minha forma sincera de ser que fiz a minha campanha em São Paulo. Primeiro, nas prévias do PSDB, e ganhamos. Depois, a campanha para a prefeitura a partir de 2% (de intenção de voto), na qual terminamos com 53%, contrariando todas as expectativas, inclusive de lideranças do próprio PSDB.

O senhor fez praticamente uma estreia na reunião da cúpula do PSDB, em Brasília, na qual defendeu a permanência da legenda no governo de Michel Temer. O senhor mantém essa posição? Como vê a relação do PSDB com o PMDB?

Olha, eu disse que, naquele momento, tínhamos que preservar e proteger o Brasil e a governabilidade. E, com isso, também as reformas trabalhista e previdenciária e a estrutura econômica do governo, que vem apresentando bons resultados. São tênues, mas são bons em face de uma circunstância tão turbulenta da vida política brasileira. É um alento que, no plano econômico, se consiga alguns resultados positivos. Isso ajuda a minimizar o risco do aumento do desemprego. São 14 milhões de desempregados e mais de sete milhões de subempregados. É preciso ter um cuidado muito grande com essa situação desalentadora. É preciso proteger o Brasil e avaliar, dia a dia, o apoio à governabilidade, o apoio ao governo atual no qual estão quatro ministros do PSDB. Todo dia é uma nova avaliação.

O senhor tem um discurso muito forte contra o PT, apesar de não defender o Fla-Flu partidário. O senhor quer se tornar esse líder anti-PT?

Eu manifesto de maneira muito clara a minha posição contra o PT, contra o ex-presidente Lula e contra a ex-presidente Dilma. Eles quase destruíram o Brasil. Treze anos de PT quase aniquilaram o Brasil, a economia brasileira, a moralidade brasileira, as estatais brasileiras e o sentimento do brasileiro. E contra essa destruição eu me posiciono.

O senhor acha que o momento ainda é de permanecer no governo? Enquanto tiver as reformas, o PSDB continuará apoiando?

Disse, várias vezes, que é a Executiva Nacional do PSDB que deve tomar essa decisão. Precisamos ter uma executiva que se manifeste. Ela tem que mostrar o sentimento.

Mas qual é a sua posição? Hoje, tem uma nova reunião...

Eu não sou da Executiva. A Executiva é que deve se manifestar. Na última reunião, fui convidado e compareci. Para essa, não fui.

Luis Nova/Esp. CB/D.A Press

Quando o senhor fala em avaliar, dia a dia, a situação do governo federal, não é perigoso? O senhor acredita que um país se sustenta com avaliações diárias. Não é muita insegurança?

Mas é preciso. Temos uma situação de dificuldade. Há uma agonia no país. E, a cada dia, é necessário avaliar essa agonia. Essa é uma circunstância. Não dá para imaginar uma defesa dos princípios, dos valores partidários do PSDB e, eventualmente, dos interesses partidários e eleitorais do PSDB, e deixar o país viver uma turbulência que possa prejudicar, de forma mais incisiva, milhões de desempregados e subempregados. Não estou dizendo que deva permanecer. Digo que é preciso avaliar e não apenas tomar uma decisão. Significa discutir sobre ela e, se tiver que tomar uma decisão, como tomá-la.

A partir desta semana, com a denúncia do PGR, Rodrigo Janot, contra Temer, essa avaliação no dia a dia não ficou mais frágil, ao ponto de algumas pessoas acharem que a proposta de afastamento do presidente pode ser aceita pela Câmara? 

Não é algo tão simples assim. Se fosse simples, já teria feito e o PSDB já teria proposto. O país vive uma situação muito difícil diante dessas circunstâncias. Isso é um fato. Se fosse fácil, o PSDB não teria opiniões tão distintas. O partido pensa bem. O máximo que se pode dizer do PSDB é que há um excesso de pensadores e de boas opiniões. A Executiva tem que se reunir, tem que avaliar e tomar uma decisão, seja ela qual for. Mas sempre levando em conta a proteção ao Brasil e às reformas. Se o país não fizer as reformas, sobretudo a trabalhista, eu diria, que está mais próxima de ser executada, será um sinal muito negativo para os mercados, para os investidores e para o mundo produtivo. Isso pode implicar que a estabilização do desemprego seja detonada e, se for, é um desastre para o Brasil. É preciso pensar e raciocinar. A política econômica deste governo não está errada. Ela está funcionando, está marchando lentamente, mas de maneira correta, no caminho certo. O ministro da Fazenda está fazendo o seu trabalho da maneira correta. Ele está alinhando a economia de maneira adequada.

Mas as reformas vão sair ou não? A da Previdência já era?

Eu entendo que sim. Hoje, percebi no Congresso que há um sentimento de que a reforma trabalhista deverá ser aprovada. Foi o sentimento que eu capturei. Mas a da Previdência terá mais dificuldade.

Como o senhor vê a saída do senador Renan Calheiros da liderança do PMDB?

Mas, falando um pouco de PMDB, alguns especialistas dizem que o PSDB se apequenou por continuar apoiando um presidente denunciado pela PGR, algo nunca antes visto na história desse país. O PSDB não vai perder força em 2018?

Pode. Mas o PSDB está avaliando. O partido não tomou uma decisão de continuar apoiando o governo Temer. Tomou a decisão de proteger o Brasil, proteger a empregabilidade e proteger os brasileiros. Essa é uma decisão que foi tomada para avançar nas reformas. Eu senti que a reforma trabalhista tem apoio não só da base do PSDB, mas, também, dos líderes de outros partidos. Há um sentimento favorável ao seu avanço e à sua aprovação. Portanto, isso é um fato. É um alento positivo. Na outra etapa, cabe uma decisão que não foi tomada ainda.

Durante a sua escolha  como candidato a prefeito, FHC  foi claramente contrário. Depois da eleição, em uma entrevista ao Correio, ao falar da força do Alckmin em apoiar o senhor, ele acabou o criticando muito claramente. Na semana passada, voltou a fustigá-lo. Até que ponto FHC pode decidir o futuro do PSDB e, de certa forma, o futuro do senhor?

Bom, de forma bem-humorada, o presidente Fernando Henrique vai ganhar música no Fantástico (risos). Mas eu respeito a opinião dele.

Mas o senhor pode explicar por que razão ele poderia pedir música no Fantástico? Quais são os três motivos?

Primeiro, ele errou no prognóstico das prévias, que eu ganhei. Segundo, ele errou no prognóstico de que eu não seria eleito. E fui, e no primeiro turno.

E o terceiro? É a sua candidatura?

É... (risos e pausa). Eu respeito muito o presidente Fernando Henrique. Mas não é a candidatura. Ele disse, em relação a mim: ‘Ele é muito bom nas redes sociais, mas eu não vejo que o que ele está fazendo na cidade é tão bom quanto o uso das redes sociais’. Até me dou bem com ele. Eu liguei para ele e disse: ‘Ô, presidente, vamos passear um pouco pela cidade. Vamos sair um pouco do apartamento. Venha ver aquilo que os outros paulistanos estão vendo’. Realmente, temos muito o que fazer ainda. Em seis meses, não há milagre. Temos muita tarefa para cumprir. Mas muito já foi feito. Ninguém é avaliado positivamente do além. As pessoas não avaliam positivamente pela sua face, pela sua fala, mas, de fato, pela cidade. E a avaliação é positiva, acima de 70% em duas pesquisas nos 100 dias. Então, não é um fato extemporâneo vindo do além. Eu disse para o ex-presidente: ‘Vamos almoçar e dar uma voltinha para o senhor conhecer’.

E ele disse o quê?

Ele topou. Eu só não pedi para ele pagar o almoço, aí é impossível (risos).

A sua vitória na eleição de 2016 foi considerada um fenômeno não só pela sua performance, porque ganhou no primeiro turno,  mas também porque  foi mostrado como um não político.  O que o senhor representa? É um outsider da política? Considera-se um não político? Ou isso é uma jogada de marketing? Como o senhor se considera?

Isso é uma atitude. Eu estou na política. Eu não sou da política. Eu continuo afirmando: sou um administrador. Não sou um político. E eu não quero ser um político. Respeito os políticos, sou filho de um, meu pai foi deputado federal. Tenho muito orgulho do que ele fez e até da cassação que recebeu e do exílio que o penalizou, que mudou completamente a nossa vida. Isso não estabelece o estigma de ser contra os políticos. Mas eu estou na política, eu não sou político.

Uma condenação do ex-presidente Lula, uma eventual prisão, poderia torná-lo mártir, incitar o eleitorado a defendê-lo?

Antes da eleição, sim. Eu não posso, evidentemente, julgar, influenciar o Judiciário, não me cabe. O Judiciário é um poder autônomo. O Lula tem cinco indiciamentos, mas aprisioná-lo antes da eleição é criar claramente um mártir do país. E uma vitimização que vai colocar o país em uma crise ainda mais aguda. A meu ver, Lula deve disputar a eleição e ser derrotado, aí acaba o mito, sobrevive o Luiz Inácio.

Mas ele continua em primeiro nas pesquisas...

As pesquisas são apenas um retrato de hoje e não de amanhã. Amanhã pode mudar.

E o Bolsonaro?

Há um fator novo nessas eleições chamado Jair Bolsonaro. Você pode não gostar, você pode duvidar, você pode desprezar, você pode desqualificar. Mas ele tem força. Eu me refiro a uma força nessa eleição. Não há apenas uma candidatura de extrema esquerda, do ex-presidente Lula. Há também uma força de extrema direita liderada pelo deputado Jair Bolsonaro. Isso não pode ser desprezado pelos partidos, inclusive o nosso, o PSDB.

O senhor concorda com a posição dele em relação aos direitos humanos e de exaltar a ditadura militar?

A minha posição é que estou em outro campo. Esse não é o meu campo.

Em caso de uma possível candidatura presidencial, qual será o seu discurso para população de São Paulo, que o elegeu para quatro anos de mandato à frente da prefeitura?

Olha, eu trabalho sobre o mundo real, não sobre a ficção. No meu dia a dia, já tenho problemas demais pra pensar na realidade, não na ficção, não no momento futuro que pode ser remoto. Tenho que cuidar do dia a dia, não posso ficar fazendo esse tipo de cenário. O meu cenário é o dia a dia. Aliás, não é nem dia a dia. Como eu digo sempre lá, é hora a hora. Porque São Paulo tem problema por hora, não é por dia.

O governo está sendo mais difícil do que o senhor imaginava?

Não. Na medida da dificuldade e dos problemas. O que talvez se tenha um pouco em excesso são as inconformidades, ONGs, associações, entidades, pessoas muito desconectadas da realidade que defendem situações arcaicas, velhas. Isso eu considero até um excesso. Mas os problemas em si nós já tínhamos escaneado durante a campanha.

A patrulha petista nas redes sociais é muito atuante. Ela incomoda?

Não, ela me estimula até. Eu adoro contrariar um petista.

Falam da criação de um novo partido para o senhor chegar à Presidência da República. O senhor sairia do PSDB?

Em nenhuma hipótese. Não há a menor hipótese de eu criar um partido ou aceitar sair do PSDB para disputar uma eleição. Eu não sou político tradicional, estou na política. Não vou fazer isso, não tem a menor hipótese. Estou no PSDB desde 2001, por opção própria. Quando eu me filiei, não me filiei para ser candidato, para ser nada. Eu me filiei por simpatia ao PSDB. E continuei sendo empresário e fui coerente. A mesma coerência que tinha no passado tenho que ter no presente. Certo que houvesse uma circunstância, vamos dizer, de uma hecatombe tal que justificasse uma saída. Mas não há. O PSDB continua sendo um partido com boas características, com boas raízes, com boas lideranças, com boas pessoas. Não, necessariamente, preciso concordar com tudo, mas dele não sairei. Não tem a menor hipótese.

Quanto tempo o senhor acha que dura o governo Temer? O senhor acha que ele consegue terminar o mandato?

Me dá uma bola de cristal que eu te digo. Nós temos que avaliar isso dia a dia. A situação é uma situação tão aguda, tão grave, que, neste momento, esta é uma avaliação dia a dia.

E a Cracolândia? Quando se resolve esse problema, essa chaga no centro de São Paulo?

Vamos continuar trabalhando. Fisicamente, a Cracolândia, como existia, não existe mais. É preciso deixar isso muito claro para não haver nenhum mal-entendido. Uma coisa são os usuários. Eles ainda existem. Já conseguimos diminuir. Fizemos uma redução expressiva no movimento do tráfico. O movimento teve uma queda substantiva. Houve uma redução do tráfego e de usuários. E isso vai exigir um trabalho contínuo por um longo período. Não é uma solução de curto prazo. E as ações em conjunto com a polícia para combater o tráfico, de acolhimento do usuário e de tratamento medicinal, que fazem parte do projeto Redenção, continuam. Outra ação será a reurbanização da área. Vamos construir um CEU, uma creche, um hospital e habitações populares, tudo em regime de PPP. E a última ação é educacional. Estamos iniciando uma campanha educacional na mídia e nas escolas. E esse programa vai continuar.

Os quatro prefeitos anteriores desistiram de tratar desse problema. O senhor também vai desistir?

Não vou mesmo.

Como será o combate ao crack?

É um combate permanente. É a perseverança nesse processo. E repito: é uma ação da prefeitura com o governo do estado. Um crédito importante, o governador Geraldo Alckmin é nosso parceiro nessa ação “governadora”, como tem sido nessa e em outras ações. Ele tem sido um bom parceiro na área de polícia e de segurança pública, na área da saúde e na área da assistência social. Esse trabalho conjunto também tem ajudado. Na gestão Fernando Haddad, não foi feito porque a prefeitura não permitia que tais ações ocorressem. O programa De Braços Abertos, que repudiava completamente qualquer tipo de ação policial, qualquer tipo de ação de abordagem, tinha uma visão diferente. O Redenção, não. O Redenção é um conjunto de cinco ações que vai continuar. Já houve uma redução de dois terços naquela área, quero deixar claro, porque tem outras áreas da cidade onde há presença de usuários e de traficantes também. Não temos uma única área na cidade, há outras pequenas áreas distribuídas pela cidade.

Esse trabalho que o senhor está fazendo em São Paulo lhe “cacifa” para ser candidato a presidente da República? O senhor vai ter o que mostrar se for para a campanha? 

Nada disso eu faço com o objetivo de ser candidato ou de sustentar candidatura presidencial ou ao governo do estado. Eu faço porque é minha obrigação. Parte do nosso programa de campanha era o combate às drogas, ao consumo e, sobretudo, aos traficantes. Não vamos desistir, mesmo que, para minha surpresa, haja um enfrentamento gigantesco. Inclusive, depois de ter sido eleito prefeito, descobri que há uma associação, O Craco Resiste. Ela está registrada, tem sede, é formada por pessoas que defendem o consumo do crack, isso é inacreditável. Século 21, maior cidade do país, tem pessoas que se organizam para defender o uso do crack. O crack mata. Qualquer médico psiquiatra e qualquer toxicólogo sabem disso. O crack mata. E tem uma associação em São Paulo que defende o que é ilegítimo.

Tem algum político que o senhor admire no Brasil ou fora?

No Brasil, para eu não cometer nenhuma injustiça, faço a referência a dois que se foram, André Franco Montoro e Mário Covas, e a dois que estão aqui, Geraldo Alckmin e Fernando Henrique. De fora, Michael Bloomberg, que foi extraordinariamente bem-sucedido como prefeito de Nova York, e Emmanuel Macron, que está promovendo uma revolução na França. A meu ver, ele levará a França para outro patamar, para um país muito mais sintonizado, com muito mais modernidade.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
marcelo
marcelo - 30 de Junho às 10:22
Esse senhor declarou que jamais seria deputado ou senador, e nos brasileiros ja sabemos como acabam os governos que desprezam o congresso, os dois presidentes que tentaram governar desprezando o congresso sofreram impeachment, ou seja, para o bem ou para o mal o congresso brasileiro é o espelho da sociedade, lá tem de tudo, é o retrato fiel do pais, tem de homossexual a homofóbico, de ateu a pastor, pobre e rico, honestos e desonestos.
 
Lambreta
Lambreta - 30 de Junho às 09:34
?
 
José
José - 30 de Junho às 08:50
No Brasil NÃO TEMPOS MÍDIAS ! ! ! Temos, de verdade UM ÚNICO ÓRGÃO DE IMPRENSA CHAMADO PIG ! ! ! Quem duvidar é só ler as manchetes e os textos publicados em todos os JORNAIS ! ! ! ! - - - - - Até erros de escrita são os mesmos ! ! ! CENTRAL ÚNICA DO PIG ! ! !
 
José
José - 30 de Junho às 08:44
Quanta """"""""""""""TRAIRAGem""""""""""""""""""""""", hein ? ? ? ?
 
david
david - 29 de Junho às 08:59
Está cuspindo no prato que lambeu? Esse governo tem a sua cara e do PSDB e lava a sua boca na hora de falar de Lula.