'Não prender Lula é reconhecer fragilidade da sentença', diz defesa

A declaração foi dada pelo advogado Cristiano Zanin Martins, um dos que compõem a defesa de Lula, em São Paulo

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 12/07/2017 22:45 / atualizado em 12/07/2017 22:50

Luís Nova/Esp. CB/D.A Press

 
Os advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmaram nesta noite de quarta-feira, 12, que a decisão do juiz federal Sérgio Moro de não decretar a prisão imediata do petista, apesar de tê-lo condenado a 9 anos e 6 meses de reclusão, é o "reconhecimento da própria fragilidade da fundamentação da sentença".
 

A declaração foi dada pelo advogado Cristiano Zanin Martins, um dos que compõem a defesa de Lula, em São Paulo. Para Martins, as justificativas usadas por Moro para não prender Lula, como evitar "certos traumas", uma vez que se trata de um ex-presidente, são afirmações que mostram que a sentença tem teor político. "Se ele tivesse elementos concretos... ele não pode julgar A ou B por ser ex-presidente da República ou não", disse.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.