Por 40 a 25, CCJ rejeita relatório que recomenda investigação de Temer

Agora, o deputado Lelo Coimbra (PMDB-ES) - que é líder da maioria na Câmara - vai redigir um novo relatório, com posição contrária ao prosseguimento da denúncia

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 13/07/2017 17:37 / atualizado em 13/07/2017 19:05

Ed Alves/CB/D.A Press

 

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados rejeitou, por 40 votos a 25 e uma abstenção, o relatório do deputado Sergio Zveiter (PMDB-RJ) que recomendava o prosseguimento da denúncia contra o presidente Michel Temer por corrupção passiva no Supremo Tribunal Federal (STF). Apesar da vitória, o governo teve dois votos a menos do que calculava.

 

Leia mais notícias em Política 

 

O deputado Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG) — um dos poucos tucanos a votar contra o parecer de Zveiter — apresentou um novo relatório, com posição contrária ao prosseguimento da denúncia. O novo parecer foi aprovado por 41 votos a 24. Agora, ele precisa ser analisado em plenário. Não se sabe, no entanto, se essa votação acontecerá neste semestre. O mais provável é que ela seja realizada apenas em agosto.

 

Ainda nesta quinta-feira (13/7), os líderes da base governista devem se reunir na casa do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para definir os próximos passos da votação.

 

Ed Alves/CB/D.A Press
 

Oposição

Logo depois da votação, os parlamentares de oposição reagiram ao resultado com gritos de "Fora Temer". Os deputados também carregavam cartazes com uma foto de Temer ao lado do empresário Joesley Batista e dizeres como "quem vota 'não' hoje, não terá voto amanhã" e "engavetar a denúncia é ser cúmplice da corrupção".

 

Suplente da Comissão, a deputada Erika Kokay (PT-DF) criticou o resultado e as manobras feitas pelo governo para conseguir obtê-lo. "Essa não é a expressão da CCJ e, sim, do governo que está armando e mutilando as opiniões. Os deputados foram vendidos. Essa semana, cada um colocou seu preço", disparou. Alessandro Molon (Rede-RJ) também atacou a troca de deputados na Comissão: "o governo está maniuplando votos. Isso é uma vitória fabricada. Ou seja, significa uma derrota".

 

Apesar da derrota, Henrique Fontana (PT-RS), manteve o otimismo e afirmou que a oposição tem condições de, no plenário, aprovar o prosseguimento da denúncia contra Temer: "temos condições de vencer e fazer com que o povo brasileiro tenha o desfecho que espera. O parlamento virou às costas para o povo, mas vamos à luta contra essa tentativa de engavetar a denúncia".

 

Governistas

Já os deputados da base aliada comemoraram a vitória na Comissão. Darcísio Perondi (PMDB-RS) provocou os parlamentares da oposição dizendo que eles "denunciam o presidente, mas não têm votos suficientes para derrubá-lo". "Desafio a oposição a vir aqui na segunda-feira votar o relatório, mas acho que não vai acontecer. Enquanto isso, o presidente deve estar trabalhando, como um chefe de Nação deve fazer", disse.

 

Beto Mansur (PRB-SP) disse que os governistas querem levar logo a votação ao plenário para "tirar essa questão da frente". "Precisamos de 342 deputados para deliberar sobre esse assunto, coisa que não está fácil por esses dias. A base está muito forte, enquanto a oposição não passa pela mesma situação. Precisa de muita gente para fazer o relatório prosseguir", pontuou.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.