Sérgio Moro defende efetivo maior para a Polícia Federal

No Fórum Mitos e Fatos, da rádio Jovem Pan, o magistrado declarou que "valeria a pena ter um efetivo maior da Polícia Federal"

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 15/08/2017 11:20

O juiz federal Sérgio Moro, símbolo da Operação Lava-Jato, afirmou nesta terça-feira, (15/8), em São Paulo, que "não é momento de vacilações". No Fórum Mitos e Fatos, da rádio Jovem Pan, o magistrado declarou que "valeria a pena ter um efetivo maior da Polícia Federal".

Sob o governo do presidente Michel Temer (PMDB) e suspeitas de interferência política, a Polícia Federal reduziu a equipe destacada para a força-tarefa da Lava-Jato, em Curitiba, e contingenciou 44% do orçamento de custeio previsto para 2017. Em julho, a PF extinguiu o Grupo de Trabalho da Lava-Jato, criado em Curitiba em 2014 para atuar exclusivamente nas investigações do mega esquema de cartel e corrupção, descoberto na Petrobrás.

"Eu penso que num quadro como esse, é preciso ter um enfrentamento, principalmente por parte da Polícia e do Ministério Público, sem vacilações. Eu respeito muito o diretor Leandro Daiello, acho que ele faz um excelente trabalho como diretor, os delegados que trabalham em Curitiba são muito dedicados, coragem do superintendente da Polícia Federal em Curitiba", afirmou Moro.

"Mas eu entendo realmente que era apropriado um aumento de efetivo, não no sentido de que há uma ação deliberada de enfraquecer a operação, mas eu acho que não é o momento de vacilações, é preciso investir para chegar com esse caso até o seu final. Valeria a pena ter um efetivo maior da Polícia Federal. Claro que não é tão simples assim, é preciso ter bons profissionais no âmbito da polícia federal. Claro que existem vários, mas precisa ter o perfil adequado e dar condições para eles realizarem o trabalho deles em Curitiba."

O grupo de trabalho da Lava-Jato e o grupo da Operação Carne Fraca - que apura corrupção no Ministério da Agricultura -, passaram a integrar a Delegacia de Combate à Corrupção e Desvio de Verbas Públicas (Delecor).

Moro afirmou que o enfrentamento da corrupção "não é tão caro". "Para se ter uma boa equipe, não precisa de grandes dispêndios financeiros", disse. "Os ganhos da recuperação de ativos são muito expressivos. É um investimento barato", concluiu o magistrado.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.