Presidente da comissão da reforma política critica doação oculta

"É lamentável esse financiamento oculto, eu espero que apareça quem fez essa proposta, porque, por enquanto, também está oculto", disse o deputado Lúcio Vieira Lima

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 16/08/2017 17:41

O presidente da comissão que debate a reforma política, deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA), criticou nesta quarta-feira (16/8), a proposta de voltar a permitir as doações ocultas a campanhas.


"É lamentável esse financiamento oculto, eu espero que apareça quem fez essa proposta, porque, por enquanto, também está oculto", disse.

Para Vieira Lima, esse tipo de proposta é "burra", porque abre brecha para que o debate que está sendo feito na Câmara seja criticado e colocado sob suspeita pela população.

O deputado Vicente Cândido (PT-SP) incluiu em seu relatório a possibilidade de o doador pedir que seu nome não seja divulgado à população, independentemente do valor doado. Na primeira versão do texto, as doações seriam ocultas para quem doasse até três salários mínimos.

Questionado sobre quem era o autor da proposta, o deputado desconversou. "O relatório é um apanhado de várias sugestões, de audiência públicas, de debates, de conversas, de almoços, de jantares, de café. Não seria elegante nominar esse ou aquele."

 

Leia mais notícias em Política

 

Ele, no entanto, voltou a defender a ideia. "Eu defendo por causa do momento que estamos vivendo, de muito achincalhamento das pessoas que têm posições, é uma preservação da integridade do doador", disse.

A proposta está no relatório que ainda está sendo discutido na comissão e deve ser votado no plenário somente depois de os deputados aprovarem a emenda à Constituição que cria o fundo público eleitoral e estabelece o chamado distritão.

 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.