Crítico de ladrão deve entrar na política, diz Lula

Proibido pela Justiça de receber o título de doutor honoris causa da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, Lula participou de dois atos públicos na cidade

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 19/08/2017 09:07

AFP / Apu Gomes

Condenado a 9 anos e 6 meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro na Lava-Jato no caso do triplex do Guarujá, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta sexta-feira, 18, no segundo dia da caravana ao Nordeste, que, se o cidadão não quiser ser governado por "ladrão", deve ele mesmo entrar na política.

"Quando você disser que o Lula é ladrão, que o deputado tal é ladrão, que o prefeito tal é ladrão, quando todo mundo for ladrão e ninguém prestar, ainda assim você vai ter que tomar uma decisão que é a de entrar na política. Porque o político honesto que vocês querem está dentro de vocês", disse o ex-presidente em palestra com ares de comício na 4.ª Jornada da Juventude em Cruz das Almas.

Proibido pela Justiça de receber o título de doutor honoris causa da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, Lula participou de dois atos públicos na cidade. O primeiro, na entrada da universidade, foi organizado às pressas para preencher o buraco na agenda da caravana. Antes, visitou a universidade fundada em 2006, no final de seu primeiro governo, e foi recebido pela direção, professores e funcionários que lhe presentearam com a escultura de uma machadinha de Xangô, o orixá guerreiro do candomblé.

O segundo foi a palestra na Jornada da Juventude. Para evitar problemas com a Justiça Eleitoral, o prefeito de Cruz das Almas, Orlandinho (PT), tratou de dizer que aquilo não se tratava de campanha antecipada nem uso eleitoral da máquina municipal. "Não usamos nem a luz, só usamos o som, e se reclamarem fazemos uma vaquinha e pagamos o som", disse o prefeito.

Lula tentou se ater ao tema da palestra que era "juventude e política". "Às vezes você xinga um político de ladrão e nem lembra que votou nele", disse.

O ex-presidente voltou a fazer referências a Tiradentes e se disse injustiçado por causa da condenação. "Por que me perseguem tanto? Acho que é por termos conseguido fazer com que o povo brasileiro possa ter o sonho de uma vida melhor", afirmou.

Plano B

Em entrevista a uma rádio em Salvador, Lula afirmou que o ex-governador da Bahia Jaques Wagner (PT) e o atual, Rui Costa (PT), são potenciais candidatos à Presidência em 2018, caso ele não possa concorrer. Não é a primeira vez que Lula cita possíveis nomes do PT se seu registro de candidatura for cassado

"A gente tem Wagner, que tem um pedigree político como ninguém tem nesse País. O cara que acabou com o carlismo se elegeu duas vezes. Tem Rui, que está indo maravilhosamente bem. Então, na hora que for necessário, a gente escolhe", disse.

Além dos dois nomes citados, o ex-presidente já apontou o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad como um possível candidato em 2018. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Lotar
Lotar - 21 de Agosto às 23:26
Para ser presidente é preciso ser executivo, ter um curriculum de êxito. Mas jamais claro alguém que rouba! E que foi condenado pela Justiça! O brasileiro não pode deixar baixar sua auto-estima.
 
José
José - 19 de Agosto às 10:07
LULA EM UNIVERDIDADE CONSTRUÍDA POR ELE - - - - - - SEM NENHUMA FOTO - - - - - - - - NO PIG ! ! ! PARA QUE O POVO NÃO VEJA ! ! !
 
José
José - 19 de Agosto às 10:07
LULA,
 
José
José - 19 de Agosto às 10:06
LULA nos braços de ALUNOS, PROFESSORES e FAMILIARES E AMIGOS DE ALUNOS