PGR pede suspeição de Gilmar Mendes em processos da Operação Ponto Final

Ministro do STF foi padrinho de casamento da filha de um dos acusados, e decidiu pela soltura dos envolvidos na semana passada

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 21/08/2017 20:11 / atualizado em 21/08/2017 20:35

AFP / EVARISTO SA

 
O procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, apresentou no Supremo Tribunal Federal (STF) dois pedidos para que o ministro Gilmar Mendes seja considerado suspeito para atuar no julgamento dos habeas corpus dos presos na Operação Ponto Final, desdobramento da Lava-Jato, no Rio de Janeiro. Os pedidos se referem aos empresários Jacob Barata Filho e Lélis Marcos Teixeira. 
 
 
No documento enviado à Suprema Corte, Janot aponta incompatibilidade de Gilmar para atuar nos processos dos empresários, por conta dele ter sido padrinho de casamento da filha de Barata Filho. Os acusados foram soltos na semana passada, por decisão monocrática do ministro.
 
Procurado pela reportagem, o ministro Gilmar Mendes afirmou que “não vai falar sobre isso”.  
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
João
João - 21 de Agosto às 22:07
A PGU ESQUECEU DE PEDIR SUA PRISÃO POR FAZER PARTE DE ORCRIM.