Judiciário é protagonista em manifestações do movimento 'Vem Pra Rua'

Em São Paulo, o líder do movimento Vem Pra Rua, Rogério Chequer, admitiu a pouca adesão popular aos protestos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 28/08/2017 11:10

Dário Oliveira/Agencia Estado
O Judiciário foi o principal alvo dos protestos realizados neste domingo (27/8), em pelo menos quatro capitais pelo país. Os atos tiveram gritos contra políticos de diferentes partidos, contra propostas incluídas nos projetos de reforma política e, principalmente, contra o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (TSE). Os manifestantes também defenderam a Operação Lava-Jato e o juiz Sérgio Moro, além de pedir a renovação na política. De acordo com movimento Vem Pra Rua, organizador do ato, a mobilização foi abaixo do esperado.

No Rio, os manifestantes percorreram as ruas da zona sul em um trajeto batizado de "Circuito dos Corruptos". O grupo passou pelas casas de políticos de diversos partidos investigados na Lava-Jato, como a da presidente cassada Dilma Rousseff (PT), a do senador Aécio Neves (PSDB), a do governador Luiz Fernando Pezão (PMDB), e a do ex-governador do Rio Sérgio Cabral (PMDB).
Tensão
O único momento de tensão do protesto foi quando os manifestantes chegaram à casa de Dilma, na Rua Joaquim Nabuco. Um grupo de cerca de 20 apoiadores da presidente cassada, com bandeiras e camisas vermelhas, esperava a manifestação passar no local. Policiais fizeram um cerco para separar os dois grupos.

Em São Paulo, o líder do movimento Vem Pra Rua, Rogério Chequer, admitiu a pouca adesão popular aos protestos. Ele afirmou que "atos como aqueles que a gente viu em 2015 e 2016 não são mais bases de comparação". "A nossa parte, nós fizemos", disse.

Os atos também ocorreram em Belo Horizonte e em Brasília. Na capital mineira, foi instalado um painel com imagens do ministro Gilmar Mendes na Praça da Liberdade palco tradicional de manifestações políticas. Na capital federal, o alvo foi o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Os organizadores escreveram "Lula condenado" com cruzes na Esplanada dos Ministérios. 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.