Temer embarca hoje para a China para reunião com integrantes do Brics

Presidente segue também para uma viagem ao país asiático para vender a imagem do Brasil e estimular a economia

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 29/08/2017 06:00 / atualizado em 29/08/2017 07:35

Evaristo Sa/AFP
 
O presidente Michel Temer embarca hoje para a China para uma série de reuniões com os integrantes do Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul). O país asiático foi o primeiro a ser visitado pelo peemedebista como efetivo no cargo, logo após o impeachment de Dilma Rousseff, há praticamente um ano. De olho em votações importantes no Congresso e no estímulo da economia, Temer deixará no Brasil o chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, e o secretário-geral da Presidência, Moreira Franco. O ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, deve embarcar só depois da análise da meta fiscal.


Leia mais notícias em Política

O primeiro encontro oficial ocorrerá na sexta-feira. Temer realiza uma visita a Pequim a convite do presidente da China,  Xi Jinping. Temer também se reunirá com o primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, com o qual está prevista a assinatura de atos bilaterais em áreas como infraestrutura, saúde, cultura e tecnologia. A China é o principal parceiro comercial do Brasil. O Planalto está otimista com a retomada da economia e de um novo recorde na balança comercial com dados de agosto.

De acordo com o porta-voz da República, Alexandre Parola, Temer tem como objetivo mostrar aos investidores chineses que o Brasil é uma boa opção para aplicar o capital. “Brasil e China mantêm parceria estratégica global. São duas grandes economias fortemente interligadas. O Brasil é destino seguro para investimentos chineses e importante provedor de alimentos e insumos para a China, nosso principal parceiro comercial”, afirmou o porta-voz.

Avaliações


Cláudio Porto, presidente da Macroplan, disse que existe um grande interesse no mercado e que deve ser um bom negócio para o Brasil e a China. “Para o Brasil, que não tem capacidade financeira de gerenciar mais estes ativos. E para a China que vai adquirir um pacote valioso, bem regulado e com perspectiva de crescimento forte”, destacou.

Entre 3 e 5 de setembro, Temer participará da 9ª Cúpula do Brics, na cidade de Xiamen, a pouco mais de 2 mil km da capital chinesa. “Brasil e China compartilham prioridades sobre temas como a defesa do multilateralismo, a resistência ao protecionismo e o combate ao aquecimento global”, destacou o porta-voz da Presidência.

O Novo Banco de Desenvolvimento (NDB), criado pelo Brics, também será pauta. Ele foi feito para financiar projetos aliados à sustentabilidade. O gerente de comércio exterior da Confederação Nacional da Indústria, Diego Bonomo, quer que a instituição tenha um escritório regional no Brasil para aproximar o setor empresarial do país do banco.

O discurso de Marcela

 
Amparada pelo presidente Michel Temer para descer a rampa presidencial rumo ao salão nobre do Palácio do Planalto, a primeira-dama Marcela Temer usou a tribuna ontem, durante o lançamento do Programa Nacional do Voluntariado, para um discurso de pouco mais de três minutos, no qual não escondeu o nervosismo e chegou a errar uma das falas. Não havia teleprompter à disposição da primeira-dama. Marcela tentava demonstrar naturalidade ao ler seu discurso, ao mesmo tempo em que olhava para a plateia, o que acabou provocando um tropeço na fala. “Devemos nos orgulhar dos cidadãos que em situações de adversidade se unem para auxiliar o próximo. Seja um momento de calamidade em alguma região do Brasil ou fora do país”, disse. Depois repetiu: “Seja no momento de calamidade e ou até mesmo seja combatendo a discriminação social, ética, religiosa ou de gênero”.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.