Polícia Federal prende desembargador por propina de R$ 150 mil

Segundo os investigadores, ele teria recebido R$ 150 mil em 2012 para soltar um dos alvos da Operação Pecado Capital, Rychardson de Macedo

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 30/08/2017 13:43

O desembargador aposentado Francisco Barros Dias foi preso preventivamente nesta quarta-feira (30/8), pela Polícia Federal na Operação Alcmeon - investigação sobre suposto esquema de venda de sentenças no âmbito do Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF-5), sediado no Recife.

Segundo os investigadores, ele teria recebido R$ 150 mil em 2012 para soltar um dos alvos da Operação Pecado Capital, Rychardson de Macedo. O magistrado também teria liberado bens bloqueados de Macedo.

A Pecado Capital investigou fraudes no Instituto de Pesos e Medidas do Rio Grande do Norte. Barros Dias teria recebido o dinheiro no pátio de estacionamento da Corte federal.

O desembargador é mestre em Direito pela Universidade Federal de Pernambuco e graduado em Direito pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Com mais de 30 anos de experiência na área jurídica ele é desembargador federal emérito do TRF da 5ª Região e ex-promotor de Justiça. 

Professor da UFRN, foi juiz do Tribunal Regional Eleitoral/RN em três mandatos. Exerceu, como juiz federal, a Direção do Foro da Seção Judiciária do Rio Grande do Norte por vários anos e o cargo de corregedor-geral da 5ª Região nos exercícios de 2013 a 2015.

Outro desembargador, Paulo Gadelha, já falecido, teria recebido R$ 100 mil, também para votar pelo habeas de Macedo.

A Operação Alcmeon, baseada em Natal e desencadeada nesta quarta, tem lastro em delações premiadas, escutas telefônicas e ambientais e resultado da quebra de sigilo bancário e fiscal de investigados.

A PF destaca que o desembargador Barros Dias não teria respeitado o período de quarentena (três anos) quando deixou a magistratura e passou a advogar. A investigação indica que o desembargador teria captado clientes para obtenção de vantagens no tribunal.

Defesa


A reportagem não localizou a defesa do desembargador federal aposentado Francisco Barros Dias até a publicação desta matéria. O espaço permanece aberto para manifestação.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
José
José - 30 de Agosto às 15:41
A pena para uma autoridade dessas, pelo seu dever de ofício, teria que ser majorada em pelo meos 10 vezes e ser considerado IMPRESCRITÍVVEL, ABUSIVO, etc. ! ! !