No semiaberto, Pizzolato almoça em Brasília no 1º dia de trabalho

O ex-diretor de Marketing do Banco do Brasil foi o último dos condenados no caso do mensalão que estava cumprindo pena em regime fechado

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 30/08/2017 17:05

Reprodução/ Internet

 

Liberado pela Justiça do Distrito Federal para trabalhar durante o dia, o ex-diretor de Marketing do Banco do Brasil Henrique Pizzolato assumiu o cargo de assistente de programação da OK FM, de Brasília, rádio do ex-senador Luiz Estevão, condenado por desvio de dinheiro de obras do Tribunal Regional do Trabalho em São Paulo, nos anos 1990.


Já no regime semiaberto, Pizzolato começou a trabalhar e foi visto almoçando nesta quarta-feira. Ele foi o último dos condenados no caso do mensalão que estava cumprindo pena em regime fechado.

A decisão favorável a Pizzolato, concedida na sexta-feira passada pela juíza Leila Cury, ocorreu depois de uma série de pressões da bancada do PT na Câmara dos Deputados, por meio da Comissão de Direitos Humanos e Minorias, historicamente controlada pelo partido, e também da Embaixada da Itália no Brasil.

Há um ano e dois meses, ele aguardava autorização para usufruir do benefício, passando efetivamente do regime fechado para o semiaberto. Pizzolato, porém, ainda não começou a sair da cadeia durante o dia para trabalhar porque dependia que o serviço psicossocial da Vara de Execuções Penais avaliasse a proposta de trabalho.

 

Leia mais notícias em Política


Ele terá o cargo de assistente de programação na rádio OK FM, de Brasília, com salário de R$ 1,8 mil. Para efeito de comparação, ele recebe R$ 21.750 de aposentadoria do BB, onde trabalhou por mais de três décadas, segundo seus advogados. O Ministério Público foi contra o trabalho na rádio.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.