Molon: existe chance de não haver nenhuma reforma política para ano que vem

O deputado acredita que o tema com menores chances de ser aprovado é alguma mudança no sistema eleitoral

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 31/08/2017 17:09 / atualizado em 31/08/2017 18:18

Minervino Junior/CB/D.A Press
O deputado federal Alessandro Molon (Rede-RJ) afirmou nesta quinta-feira (31/8) ver a possibilidade de que os parlamentares não consigam nenhuma mudança eleitoral a tempo para o pleito de 2018. Segundo o deputado, integrante da comissão da reforma política na Câmara, o problema é que vários grupos que condicionam a votação em itens mais consensuais, como a questão da coligação proporcional e a cláusula de barreira, a temas mais polêmicos como o financiamento de campanha e o sistema de votação.
 
 
"Esse jogo de interesses múltiplos com atores diferenciados pode produzir um resultado igual a zero", alertou. Ontem, o líder do governo na Câmara, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) admitiu que a falta de acordo pode inviabilizar a aprovação da reforma política. Apesar da previsão de votar a proposta relatada pela deputada Shéridan (PSDB-RR), que prevê o fim das coligações e institui cláusula de barreira aos partidos, a discussão foi adiada para a próxima semana ou mesmo a seguinte, por causa do feriado de 7 de setembro.

O deputado acredita que o tema com menores chances de ser aprovado é alguma mudança no sistema eleitoral. "Nenhum deles consegue receber maioria constitucional, nem o distritão nem o distritão misto", ponderou. "Então a tendência é que se mantenha o atual com proibição de coligações e cláusula de desempenho, o que já seria avanço, embora muito modesto."
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.