Cientistas fazem protesto contra cortes orçamentários neste sábado (2/9)

Segunda Marcha pela Ciência no Brasil ocorre em diferentes cidades. Em Brasília, concentração será às 15h, em frente ao Museu Nacional da República

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 01/09/2017 12:29 / atualizado em 01/09/2017 20:02

Em 2017, a tesoura passou afiada no orçamento da ciência e da educação no país. Só o Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) perdeu 44% de recursos, ficando com o menor valor da área em 12 anos. A sangria também atingiu o Ministério da Educação (MEC), ameaçando o funcionamento e o desenvolvimento de pesquisas de universidades e institutos federais. Para pressionar o governo a revogar os cortes na votação da Lei Orçamentária Anual de 2018 (LOA), cientistas vão sair dos laboratórios e ganhar as ruas neste sábado. Em Brasília, a concentração será em frente ao Museu Nacional da República, às 15h.
 

"O cenário atual da ciência, tecnologia, inovação e educação superior no país é gravíssimo. Os cortes no orçamento representam um grande retrocesso que compromete todo o investimento até agora já feito nessas áreas, que são tão estratégicas para o desenvolvimento do país. Precisamos reverter esse quadro”, avalia a professora Ligia Pavan Baptista, secretária regional da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SPBC) no DF. O órgão é o responsável pela organização, em Brasília, da 2ª Marcha pela Ciência no Brasil, que também acontecerá no Rio de Janeiro, em São Paulo e em Porto Alegre. 
 
"O Congresso Nacional está em processo de organização e votação do orçamento do ano que vem. Se contarmos a PEC e todos os cortes, temos boas chances de que 2017 se repita em 2018, ou que seja ainda pior. Temos que pressionar para garantir que tenhamos o pagamento das bolsas de pós-graduação no ano que vem e um mínimo de financiamento para continuar as nossas pesquisas”, disse, em nota, Tatiana Rappoport, professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), que atua na organização da Marcha. A expectativa dos cientistas é que, assim como a primeira edição do evento, em abril, todos os estados brasileiros participem.
 
Ligia Pavan Baptista/Divulgação
 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.