"Que se dê nome aos bois", diz Marco Aurélio sobre denúncias de Janot

Ministro do Supremo criticou a postura do procurador em não citar os nomes de pessoas do Ministério Público e do STF que estariam sob suspeitas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 04/09/2017 20:17 / atualizado em 04/09/2017 20:23

Luis Nova/Esp. CB/D.A Press


O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, deveria ter revelado quais os ministros ou procuradores que estão sob suspeita, por terem sido, eventualmente, citados em uma gravação entregue pela defesa do delator Joesley Batista. "Que se dê nome aos bois. Em nome da transparência o procurador Janot deveria ter falado quais foram os ministros e procuradores citados no áudio', destacou.


Leia mais notícias em Política

Marco Aurélio afirmou que, com as informações divulgadas por Janot, todos os 11 ministros da Suprema Corte e os procuradores ficam com a imagem prejudicada perante à sociedade. "As pessoas vão achar que todos os ministros e todos os procuradores estão envolvidos em atos ilícitos", completou.

Rodrigo Janot revelou que uma gravação feita por Joesley Batista, sem saber que estava gravando a si mesmo e a outras pessoas, "por não saber mexer no equipamento", revela "referência indevidas contra a Procuradoria-Geral da República (PGR) e no Supremo Tribunal Federal (STF)". As gravações podem resultar na suspensão da delação de Joesley Batista e do executivo Ricardo Saud, do grupo J&F. 
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
marcelo
marcelo - 05 de Setembro às 13:08
cadeia nesse safado qeu quer usar o sistema e o beneficio da delação premiada para se safar,
 
david
david - 05 de Setembro às 09:38
Se fosse revelação que incriminasse o Lula todo mundo estaria sabendo. Esse procurador pisou na bola. O que ele fez foi fortaleceu o Temer. Vai sair do cargo de procurador da república pela porta dos fundos, quando deveria sair pela porta da frente. Neste caso, faltou do procurador mais transparência. Como disse o ministro Marcos Aurélio, que ele dê o nome aos bois, porque, do contrário, o STF e a PGR fica sem credibilidade com a opinião pública, isso é se é que existe. o STF e a PGR tem que entender que, o pau que dá em Chico tem que dá em Francisco. O que está acontecendo no judiciário é uma grande bagunça.