Ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha vai ficar 9 dias na Papuda

Há algumas semanas, a defesa do peemedebista chegou a solicitar sua transferência definitiva para Brasília, mas o juiz Moro negou a solicitação

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 11/09/2017 19:38

 AFP PHOTO / Heuler Andrey

 
O juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10.ª Vara Federal do Distrito Federal, deferiu pedido da defesa do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB/RJ) para que ele seja transferido provisoriamente para o Complexo Penitenciário da Papuda, em Brasília, na próxima segunda-feira (18/9). O objetivo da ida do peemedebista para a capital federal é o seu interrogatório no âmbito da ação penal derivada da Operação Sépsis.
 
 
Cunha é réu no processo pelo suposto envolvimento em irregularidades na liberação de valores do Fundo de Investimento do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FI-FGTS). O interrogatório de Cunha está agendada para o próximo dia 22 de setembro. Entretanto, o despacho do juiz Vallisney de Souza autoriza a permanência do ex-deputado na capital federal por nove dias, entre 18 e 26 deste mês.

Em um primeiro momento, o advogado de Cunha, Délio Lins e Silva, havia solicitado a ida para Brasília com ao menos dez dias de antecedência da data do interrogatório. O objetivo do prazo era para que o ex-deputado pudesse se preparar para prestar os esclarecimentos ao juiz da 10.ª Vara Federal.


Há algumas semanas, a defesa do peemedebista chegou a solicitar sua transferência definitiva para Brasília. Mas o juiz Moro negou a solicitação e deixou em aberto a possibilidade de Cunha ser levado para a capital federal caso houvesse necessidade de comparecer a eventos relacionados aos processos em que é réu.

"Tendo havido a concordância do ilustre juízo federal da 13.ª Vara da Subseção Judiciária de Curitiba e do Egrégio Tribunal Regional Federal da 4ª Região, e para possibilitar ao réu Eduardo Consentino da Cunha o exercício pleno do seu direito de defesa, entendo ser viável somente sua transferência temporária para que seja interrogado pessoalmente neste juízo federal", diz o despacho do juiz Vallisney de Souza.

Sépsis


No seu interrogatório, Cunha deverá ser questionado sobre sua suposta atuação junto ao ex-vice-presidente de Fundos e Loteria da Caixa, Fabio Cleto. Em sua delação premiada, Cleto afirmou que o ex-deputado e o corretor Lúcio Bolonha Funaro intermediavam pagamento de propina para liberação de valores do FI-FGTS para grandes grupos econômicos.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.