Tucano deixa CPI da JBS após escolha de aliado de Temer como relator

A saída deve ser acompanhada por outros parlamentares do partido que integram o colegiado, como os deputados João Gualberto (PSDB-BA) e Rocha (PSDB-AC)

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 12/09/2017 15:14

Minervino Junior/CB/D.A Press
A escolha do deputado federal Carlos Marun (PMDB-MS) como relator da CPI mista da JBS já provocou a primeira baixa na comissão de inquérito. O senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES) pediu o afastamento do colegiado nesta terça-feira (12/9). Ferraço faz parte do grupo que defendia o desembarque do PSDB do governo de Michel Temer.

A saída deve ser acompanhada por outros parlamentares do partido que integram o colegiado, como os deputados João Gualberto (PSDB-BA) e Rocha (PSDB-AC).

Marun foi um dos mais fiéis aliados do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e faz parte da tropa de choque de Michel Temer. O deputado teve entre seus doadores de campanha a própria empresa alvo da CPI mista. Ele recebeu, por meio de repasses de outros candidatos, R$ 103 mil em 2014.

A escolha de Marun como relator da CPI é vista como uma forma de o governo usar a comissão para atacar os delatores da JBS e o próprio procurador-geral da República, Rodrigo Janot. A previsão é que requerimentos para que eles prestem depoimento sejam votados na reunião prevista para a tarde desta terça-feira.

No acordo de delação, que pode ser revisto pelo procurador-geral, os executivos da JBS implicam diretamente Temer e alguns de seus aliados, como o presidente afastado do PSDB, Aécio Neves.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.