Joesley Batista depõe sobre acusações de interferência no STF

Afirmações que ele fez um gravação deve levar a anulação do acordo de delação dele e demais executivos da JBS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 14/09/2017 15:23

A Polícia Federal colhe na tarde desta quinta-feira (14) o depoimento do empresário Joesley Batista e do executivo Ricardo Saud. Eles vão prestar esclarecimentos sobre uma possível tentativa de interferir no Supremo Tribunal Federal (STF). Os depoimentos ocorrem a pedido da ministra Cármen Lúcia, do STF.
 
 
Joesley e Saud estão presos desde segunda-feira (11), na Superintendência da PF, em Brasília. O advogado dos executivos, Antônio Carlos de Almeida Castro, conhecido como Kakay, chegou na unidade policial por volta das 14 horas e acompanha os depoimentos.

Quem está preso também é o dono da JBS, Wesley Batista, irmão de Joesley. Ele foi preso sob acusação de fraudes contra o sistema financeiro, por conta da venda de dólar futuro dias antes dele e o irmão fecharem acordo de delação premiada com o Ministério Público.

A defesa de Wesley pediu nesta quinta a revogação da prisão. O advogado Pierpaolo Bottini, que defende Wesley, afirmou que as provas usadas para determinar a prisão preventiva foram entregues pelos próprios delatores.  "Não surgiu qualquer fato novo ou relevante capaz de justificar medidas cautelares. Nenhuma testemunha relatou ameaças, nenhum servidor sentiu-se constrangido, todos os documentos requeridos foram entregues, e não surgiu qualquer elemento que indicasse risco à apuração ou à aplicação da lei penal," destaca Pierpaolo.


Delação


O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, deve pedir a revogação total do acordo de delação premiada firmados pelo Ministério Público Federal com Joesley Batista e Ricardo Saud. Com isso, eles perdem a imunidade judicial e podem responder pelos crimes.

Apesar de decidir pela quebra de todas as cláusulas do acordo, as provas entregues pelos delatores devem ser mantidas. A decisão ocorre por conta da omissão de provas. Em uma gravação, Joesley declara não ter contado tudo que sabe aos investigadores.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.