PSDB vai analisar denúncia contra Temer e depois se posicionar, diz Alckmin

Questionado sobre se o processo pode atrapalhar o andamento da agenda do Congresso, que ainda pretende votar reformas importantes este ano, como a da Previdência, o governador disse acreditar que não

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 15/09/2017 12:26

Evaristo Sá/AFP
O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), declarou nesta sexta-feira (15/9), que o partido vai analisar o teor da denúncia contra o presidente Michel Temer antes de se posicionar sobre o assunto, mas que o processo não deve paralisar os trabalhos da Câmara dos Deputados.

"O PSDB vai primeiro analisar tudo isso para depois se posicionar", declarou Alckmin sobre a denúncia feiTa ontem da Procuradoria Geral da República (PGR).

Questionado sobre se o processo pode atrapalhar o andamento da agenda do Congresso, que ainda pretende votar reformas importantes este ano, como a da Previdência, o governador disse acreditar que não. "Acho que talvez isso se resolva rapidamente. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, já disse que dará a celeridade necessária", disse o tucano, que participou de cerimônia no Palácio dos Bandeirantes para lançar a segunda edição do Pitch Gov.SP - programa que aproxima startups da administração pública.

Na quinta-feira (14/9), o procurador-geral Rodrigo Janot denunciou Temer como chefe do "quadrilhão do PMDB", incluindo ainda o ex-ministro Geddel Vieira Lima, os ex-presidentes da Câmara Henrique Eduardo Alves e Eduardo Cunha, o ex-assessor especial de Temer, Rodrigo Rocha Loures, e os ministros Eliseu Padilha e Moreira Franco. O esquema teria movimentado propinas de mais de R$ 500 milhões.

O presidente desqualificou a segunda denúncia da PGR, apontando "falta de credibilidade" de Janot e afirmando que a acusação "é realismo fantástico em estado puro".
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.