CNI: corrupção e quadro econômico influenciam na impopularidade de Temer

A CNI divulgou pesquisa Ibope que mostrou que a avaliação negativa do governo Temer alcançou 77% em setembro, ante 70% em julho

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 28/09/2017 12:24

Evaristo Sá/AFP
A percepção da população sobre a economia e as notícias de corrupção foram os principais motivos que levaram ao crescimento da avaliação negativa do governo Michel Temer, avaliou nesta quinta-feira (28/9), Renato da Fonseca, gerente executivo de Pesquisa e Competitividade da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Na manhã desta quinta, a instituição divulgou pesquisa Ibope encomendada por ela que mostrou que a avaliação negativa do governo Temer alcançou 77% em setembro, ante 70% em julho. Foi o pior resultado da série histórica do levantamento, que começou a ser divulgado em março de 1986, durante o governo do ex-presidente José Sarney.

"Eu diria que neste momento a popularidade muito baixa tem dois componentes fortes: corrupção e quadro econômico. Mas esse debate todo da Amazônia também afetou", disse Fonseca, em referência ao decreto presidencial que extinguiu a Reserva Nacional de Cobre e Associados (Renca), que acabou revogado por Temer, após repercussão negativa.

De acordo com o gerente da CNI, por mais que os indicadores venham mostrem uma recuperação gradual da economia, "a população não está percebendo isso ainda". "A grande maioria ainda não vê melhoras, não está acreditando que a economia está melhorando", afirmou em entrevista coletiva. 

Corrupção


Na última pesquisa, em julho, as notícias mais lembradas sobre o governo já eram sobre "corrupção", com 16%. Dois meses depois, esse porcentual aumentou para 23%, seguida pelo noticiário Operação Lava Jato, que passou de 9% para 11%. 

A apreensão de malas e caixas contendo R$ 51 milhões na casa do ex-ministro Geddel Vieira Lima foi o terceiro fato mais lembrado, citado por 7% dos entrevistados. No total, 44% dos consultados mencionam algum notícia relacionada à corrupção, sendo que 9% citaram casos que envolvem diretamente o presidente

A quarta notícia mais lembrada sobre a gestão peemedebista foi a liberação para exploração de áreas na Amazônia, fato debatido em torno da edição do decreto da Renca. Após a repercussão negativa, Temer recuou desse decreto, mas a notícia foi lembrada por 5% dos ouvidos na pesquisa. 

Pesquisa


A aprovação pessoal de Temer também piorou. Na pesquisa divulgada agora, 89% dos entrevistados disseram desaprovar a maneira do peemedebista governar. Em julho, esse porcentual era de 83%. Já os brasileiros que aprovam o jeito do presidente de administrar o País caíram de 11% para 7% de julho para setembro. Outros 4% não sabem ou não responderam essa questão.

A confiança da população no presidente também diminuiu. Agora, apenas 6% dos entrevistados disseram confiar em Temer. Em julho, este número era de 10%. Ao mesmo tempo, o porcentual dos que não confiam no presidente aumentou de 87% para 92% entre as duas pesquisas. Os que não sabem ou não responderam essa questão foram 2%.

A pesquisa foi realizada de 15 a 20 de setembro deste ano. O levantamento ouviu 2 mil pessoas em 126 municípios. A margem de erro estimada é de 2 pontos percentuais para mais ou menos sobre os resultados encontrados no total da amostra. O nível de confiança utilizado é de 95%.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.