Gilmar Mendes não vê risco de crise se STF validar afastamento de políticos

A decisão do Supremo é aguardada com expectativa no mundo político pois terá repercussão no caso do senador Aécio Neves

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 09/10/2017 12:44

Evaristo Sá/AFP
O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, também presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), minimizou o risco de crise institucional caso a corte decida na quarta-feira (11/10), que dará a palavra final no afastamento de parlamentares. A Câmara e o Senado já afirmaram que querem ter a decisão final de afastamentos. 

A decisão do Supremo é aguardada com expectativa no mundo político pois terá repercussão no caso do senador Aécio Neves (PSDB-MG), que foi afastado do Senado pela 1ª Turma do STF.

"Não vejo risco", disse o ministro ao ser perguntado por jornalistas sobre o perigo de rompimento das instituições caso o STF decida por ter a palavra final no afastamento. "O Supremo terá que refletir sobre todas as questões e terá que fazer análise bastante aprofundada do texto constitucional", disse Mendes. "Temos que evitar decisões panfletárias, populistas."

Mendes ressaltou que o STF não pode repetir casos como os recentes, no qual decidiu pela proibição da vaquejada e a favor do aborto. Esse tipo de decisão, disse o ministro, mostra uma incoerência interna na corte e não é compreendida pela população "Como se permite a morte de fetos e diz que o boi não pode ser maltratado?", argumentou o ministro. 

"No caso da vaquejada o STF disse que era inconstitucional e o Congresso aprovou uma emenda constitucional, dizendo que desde que tivesse tratamento adequado, era possível. Isso se chama diálogo institucional. Vamos aguardar um pouco os desdobramentos " 

O Senado e a Câmara já se manifestaram que o afastamento cabe a cada uma das casas, disse Mendes, ressaltando que isso que está no artigo 53 da Constituição. "Há um problema de interpretação e isso será resolvido."
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.