Mesmo com baixo quórum, caso Aécio vai para o plenário do Senado

Decisão precisa de ao menos 41 um votos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 17/10/2017 17:05 / atualizado em 17/10/2017 17:22

George Gianni/PSDB/Divulgação
 
 
O presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), afirmou que colocará em análise, no fim da tarde desta terça-feira (17/8), o processo das medidas cautelares impostas ao senador Aécio Neves (PSDB-MG) pela Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal, no último dia 26. Lideranças do PSDB haviam pedido ao presidente da Casa que adiasse a votação devido ao baixo quórum, mas Eunício optou por levar a matéria ao plenário. “A matéria é o primeiro item da pauta e está em regime de urgência. Nós vamos discuti-la.”
 

Do total de 81 senadores, levando em consideração 10 que estão em missão oficial fora do país, um de atestado médico e os votos do próprio Eunício e de Aécio, o máximo de votos que podem sair do plenário hoje são 68. O senador mineiro precisa de 41 votos para se livrar das punições impostas pelo STF sobre o afastamento do mandato e o recolhimento noturno.

A principal estratégia é a forma como a pergunta será feita em relação à votação. “Devemos ter 41 votos sim ou não, depende da chamada que eu fizer. Vai depender da colocação do presidente para para manter a decisão da Primeira Turma ou para revogar. Precisamos de 41 votos para ter um resultado”, comentou Eunício.

Entretanto, diante da margem de somente 68 votos, é possível que não se alcance o número para nenhum dos lados. Neste caso, o presidente, sem encerrar a votação e abrir o painel, poderia suspender a votação e retomá-la na sessão de amanhã, por exemplo. A sessão começará em breve.

Acompanhe a sessão ao vivo 

 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.