Tribunal manda reintegrar Robson Marinho ao cargo no TCE

Chefe da Casa Civil do governo Mário Covas (PSDB), entre 1995 e 1997, Marinho chegou ao TCE por indicação do tucano, seu padrinho político

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 17/10/2017 17:30

A 12ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo decidiu reintegrar o conselheiro do Tribunal de Contas do Estado Robson Marinho ao cargo. Ele é réu em ação de improbidade movida pelo Ministério Público Estadual de São Paulo pelo suposto recebimento de propinas envolvendo o escândalo de fraudes de licitações da Alstom e tem seus bens bloqueados pela Justiça. A Promotoria informa que haverá recurso.

Chefe da Casa Civil do governo Mário Covas (PSDB), entre 1995 e 1997, Marinho chegou ao TCE por indicação do tucano, seu padrinho político. A Promotoria sustenta que ele favoreceu a Alstom no âmbito do aditivo X do projeto Gisel, empreendimento da Eletropaulo, antiga estatal de energia.

A Promotoria acusa Marinho de enriquecimento ilícito e sustenta que ele lavou dinheiro no exterior e afirma que o conselheiro de contas participou de um "esquema de ladroagem de dinheiro público". A ação contra Marinho é subscrita pelos promotores de Justiça Silvio Antonio Marques, José Carlos Blat e Marcelo Daneluzzi.

O promotor Silvio Marques afirma que a Procuradoria vai recorrer da decisão do colegiado e que há "provas claras de corrupção e lavagem de dinheiro contra o conselheiro". Ele ressalta que mais de US$ 3 milhões estão bloqueados em uma offshore de Marinho na Suíça.

A reportagem entrou em contato com a defesa do conselheiro, que ainda não se pronunciou.





Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.